… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

domingo, 5 de fevereiro de 2017

5 de fevereiro de 1703 • Gilbert Tennent, um dos líderes do Primeiro Grande Despertamento nas colónias inglesas da América do Norte

5 de fevereiro de 1703 Gilbert Tennent, um dos líderes do Primeiro Grande Despertamento nas colónias inglesas da América do Norte
 Retrato de Gilbert Tennent
Gilbert Tennent foi um dos líderes do Grande Despertar do sentimento religioso na América Colonial, juntamente com Jonathan Edwards e George Whitefield. O Primeiro Grande Despertamento, foi um período de alta atividade religiosa, principalmente no Reino Unido e nas colónias inglesas da América do Norte entre os anos de 1730 e 1740. Gilbert Tennent no seu sermão mais famoso, "On the Danger of an Unconverted Ministry" compara os ministros que eram contra o despertamento religioso com os fariseus descritos nos Evangelhos.



O seu pai, William Tennent, emigrou para a América em 1718, e foi o fundador de uma escola teológica em Warminster, Pensilvânia chamada, por causa da maneira como estava construída, o Log College. Este é considerado como o precursor da Universidade de Princeton.



Gilbert Tennent nasceu no condado de Armagh, na Irlanda, neste dia, 5 de fevereiro de 1703 tendo ido para a colónia inglesa americana com seu pai, William Tennent, em 1718, tendo sido educado por ele e depois de um ano de estudos de medicina, voltou para o estudo da teologia, licenciando-se pelo presbitério de Filadelfia em 1725. Durante um ano exerceu como tutor em Log College; pregou durante algum tempo em Newcastle, Delawere, e aí foi ordenado, sendo investido como pastor em New Brunswick, em 1726, e aí continuou nessas funções até 1743.



Igualmente como seu pai, Gilbert Tennent foi um ardente admirador de Whitefield e a pedido deste acompanhou-o a Boston numa ronda de pregação do Evangelho. Pelo seu zelo, profunda sinceridade moral e espiritualidade, além da sua capacidade lógica e argumentação, Gilbert Tennent produziu, em todos os lugares por onde passou, uma profunda impressão, sendo a sua popularidade superada apenas pela de George Whitefield. Mas faltava-lhe ternura e consideração para com os que diferiam dele. Nesse tempo, muitos ministros presbiterianos opunham-se aos métodos adotados pelos pregadores do avivamento espiritual. Tennent não apreciava tais escrúpulos, acusando esses ministros presbiterianos de falta de religião vital.



Também o Log College foi criticado abertamente no sínodo de Filadélfia, por causa do tipo de piedade que promovia e dos seus defeitos educativos. Tennent naturalmente ressentiu-se do ataque e sob o que considerava uma provocação, pregou em 1740 o seu famoso “Nottingham sermon”, no qual arremetia vigorosamente contra os seus oponentes. Como resultado deste sermão e da impetuosa carreira do Tennent, produziu-se a divisão da Igreja presbiteriana. Ainda que tenha contribuído muitíssimo para a desunião da Igreja presbiteriana, posteriormente foi ativo na reconciliação de 1758. Em 1743 Tennent foi chamado para a Segunda Igreja Presbiteriana de Filadélfia, que acabava de ser formada e estava composta por admiradores de Whitefield e por amigos do avivamento. Mas, ainda que Gilbert Tennent tenha permanecido como pastor na Segunda Igreja Presbiteriana de Filadelfia até à sua morte, aí ocorrida em 23 de julho de 1764, não repetiu no seu segundo cargo os triunfos do primeiro. Gilbert Tennent continuava fiel e muito útil na pregação do Santo Evangelho, mas agora a sua pregação foi mais calma e a sua comunicação do Evangelho menos apaixonada. Em 1753 obteve na Grã-Bretanha 1500 libras para o College de New Jersey. Além de uma biografia do seu irmão John (Boston, 1735), publicou um volume de sermões (Filadélfia, 1743), alguns sermões ocasionais e panfletos.

 ****

Fontes Utilizadas:
Vários “Sítios” e enciclopédias na Internet e ainda algumas obras em papel.
Respigado daqui e dali.

Carlos António da Rocha

Este texto é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está escrito com o Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicado nem utilizado para fins comerciais; seja utilizado exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: