… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

domingo, 30 de abril de 2017

SALMO 7

C. H. Spurgeon
 O Tesouro de David
 SALMO 7

O título deste Salmo é «Schigaion de David». Pelo que podemos coligir das observações dos entendidos e de uma comparação deste Salmo com o outro único Schigaion da Palavra de Deus (Habacuc 3), este título parece indicar «Cânticos variáveis», com os que se associa a ideia de distração e de prazer.

Parece provável que Cush, o benjaminita, tinha acusado David perante Saúl de uma conspiração traiçoeira contra a autoridade real.

Isto pode entender-se como o «Cântico do santo caluniado». Até esta penosa aflição é ocasião para um Salmo.

Vers. 1. SENHOR, meu Deus, em ti confio. O caso inicia-se aqui com uma confissão de confiança em Deus. Seja qual for a urgência da nossa condição, nunca devemos olvidar o reter a nossa confiança em Deus. «Oh SENHOR, meu Deus» - meu por um pacto especial, selado pelo sangue de Jesus, e ratificado na minha própria alma por um sentimento de união a Ti - em Ti, e em Ti somente, tenho posto a minha confiança agora na minha penosa aflição. Eu tremo, porém a rocha não se move. Nunca é correcto desconfiar de Deus, e nunca é em vão o confiar nEle. C. H. S.

Vers. 2. Para que ele não arrebate a minha alma, como leão. Havia um inimigo de David que era mais poderoso do que os demais. É deste inimigo que com urgência procura libertação. Quiçá se tratasse de Saúl, o seu inimigo real; mas, no nosso caso há um que vai dando voltas ao redor de nós como um leão, que intenta devorar-nos, acerca do qual temos de clamar: «livra-nos do maligno».C. H. S.

Tenho lido de algumas nações bárbaras que, quando o Sol aquecia muito, disparavam flechas contra ele; do mesmo modo os malvados disparam à luz e ao calor da piedade. Jeremiah Burroughs, 1660.

Despedaçando-a, sem que haja quem a livre. Este é um retrato comovedor de um santo entregue à vontade de Satanás. Isto fará comover as vísceras do SENHOR. Um pai não pode permanecer em silêncio quando o seu filho está em semelhante perigo.

Faremos bem aqui em recordar que esta é uma descrição do perigo ao qual se vê exposto o Salmista por línguas caluniadoras. A calúnia deixa a sua baba, por mais que possa desmentir-se. Se Deus foi caluniado no Éden, nós não sofreremos menos nesta Terra de pecadores. Se queremos viver sem ser caluniados, temos de esperar até chegarmos ao Céu. C. H. S.

Vers. 3. SENHOR meu Deus, se eu fiz isto, se há perversidade nas minhas mãos. Josefo conta-nos de Apolinário que dizia em relação aos judeus e aos cristãos que eram mais néscios do que os bárbaros. E Paulus Fagius conta uma história de um egípcio que dizia a respeito dos cristãos: «São uma quadrilha de gente traiçoeira e asquerosa»; e a respeito de guardar o sábado diz: «Tinham uma enfermidade, e queriam repousar no sétimo dia por causa da mesma.» Jeremiah Burroughs

O aplauso dos maus geralmente implica algum mal, e a sua censura implica algum bem. Thomas Watson.

Vers. 4. Se paguei com o mal àquele que tinha paz comigo (antes, livrei ao que me oprimia sem causa). O devolver mal por bem é uma corrupção humana; o devolver bem por bem é uma retribuição cívica; porém, o devolver bem por mal é uma perfeição cristã. Ainda que não seja a graça da natureza, contudo, é a natureza da graça. William Secker.

Vers. 6. O julgamento que tens convocado. David, para orar devidamente, repousa na Palavra e na promessa de Deus; e o resultado do seu exercício é este: Senhor, não sou levado pela ambição, ou pela paixão voluntariosa e néscia, ou pelo desejo corrompido, desconsiderado, de pedir-Te tudo o que agrada à minha carne; mas, é a luz clara da Tua Palavra a que me dirige, e nela me tenho fundamentado com firmeza. João Calvino.

Vers. 8. Nos dois últimos versículos procurava que o SENHOR Se levantasse, e agora que Se levantou, David prepara-se para mesclar-se com «a congregação do povo» que o rodeia. C. H. S.

Vers. 9. Tenha já fim a malícia dos ímpios; mas estabeleça-se o justo. Não é este o desejo universal de toda a companhia dos escolhidos? C. H. S.

Vers. 10. O meu escudo está com Deus, que salva os rectos de coração. A verdade, como o azeite, surge sempre por cima; os nossos inimigos não têm poder para afogá-la. C. H. S.

Vers. 11. Deus é um juiz justo, um Deus que se ira todos os dias. Não temos um Deus insensível e impassível perante quem nos apresentamos; Ele pode estar irado, além do mais, está irado hoje e a cada dia contigo, com os iníquos e os pecadores impenitentes. O melhor dia que amanhece sobre um pecador, contudo, é para Ele causa de maldição. C. H. S.

Deus está zangado. A expressão original aqui é muito expressiva. A verdadeira ideia da mesma é «lançando espuma pela boca» por causa da Sua indignação. Richard Mant, D.D., 1824.

Vers. 12. Se o homem não se converter, Deus afiará a sua espada. A espada de Deus foi afiada na pedra que gira na nossa maldade diária, e se não nos arrependemos, com presteza, far-nos-á em pedaços. O pecador não tem outra alternativa. C. H. S.

Quão poucos são os que crêem que Deus chamará o malvado a contas! Se acreditássemos nisso, tremeríamos como o que está dentro de uma casa que se derruba; esforçar-nos-íamos por «salvar-nos desta geração depravada». C. H. S.

Já tem armado o seu arco, e está aparelhado. E estamos a salvo ali, onde as flechas de Deus vão cair em breve como gotas de chuva? «Aparta-te!» disse Deus a Moisés- «das tendas de Coré, Datan e Abiram, para que não sejas consumido em todos os seus pecados.» Como se têm deteriorado as boas maçãs estando no cesto com as más! Não é prejudicial para o ouro estar unido com a escória? Lewis Stuckley.

Vers. 13. Instrumentos de morte. Recorda, as flechas de Deus nunca erram, e sempre são «instrumentos de morte». C. H. S.

Temperou ao fogo as suas setas. A palavra «temperado» significa o mesmo que arder em ira contra os ímpios; e a palavra «preparado» significa que pôs a ponto as suas flechas; Ele não as dispara ao azar, porém, dirige-as aos iníquos. Um tal Félix, conde de Wartenberg, um dos capitães do imperador Carlos V, jurou, na presença de vários numa ceia, que antes de morrer cavalgaria onde lhe chegasse o sangue dos luteranos até às esporas. Este homem ardia em malícia, mas observemos como Deus dirige as Suas setas contra ele: naquela mesma noite a mão de Deus feriu-o de tal forma que foi estrangulado e se afogou no seu próprio sangue; não cavalgou, de qualquer modo, banhou-se a ele mesmo; não até às esporas, porém, até à garganta; não no sangue dos luteranos, mas, no seu próprio sangue antes de morrer. Jeremiah Burroughs

Vers. 14. Concebeu maldade, gerou iniquidade. Uma mulher grávida proporciona a metáfora: gerou iniquidade. O ímpio está cheio dela, de tal modo que não a pode levar; quer fazer a sua vontade; está cheio de dores até que é executado o seu malvado intento. C. H. S.

Concebeu maldade. Ninguém o força a isso; ele mesmo o faz voluntariamente. Richard Sibbs

A ordem natural é primeiro conceber e depois gerar, mas aqui o gerar vem primeiro; a razão disso é que o malvado vai com tanto ardor em perseguição do seu intento, que vai actuar imediatamente se soubesse como fazê-lo, até mesmo antes de conceber com que meios o fará. J. Mayer, in loc.

Vers. 15. Cavou um poço e o fez fundo, e caiu na cova que fez. Havia astúcia nos seus planos e diligência no seu trabalho. Condescendeu à penosa tarefa de cavar. Não teme sujar as mãos com a terra; está disposto a fazer um buraco para que outros caiam nele. Que coisas tão indignas é capaz de fazer o homem para se vingar dos fiéis!

Vers. 16. A sua iniquidade cairá sobre a sua cabeça. As cinzas vão sempre parar à cara daquele que as lança ao ar. C. H. S.


Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: