… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

sábado, 15 de abril de 2017

15 de abril de 1707 • Leonhard Euler, Matemático/Apologista Cristão

15 de abril de 1707 Leonhard Euler, Matemático/Apologista Cristão

Leonhard Euler, quadro a óleo por Johann Georg Brucker (Da Wikipédia)
Voltaire e Frederico, o Grande, zombavam dele. Catarina, a Grande, da Rússia, empregou-o. Os grandes matemáticos reverenciavam-no. O seu nome era Leonhard Paul Euler. Era filho de um pastor calvinista. Euler nasceu neste dia, 15 de abril de 1707, em Basileia, na Suíça. Morreria aos 76 anos em S. Petersburgo, na Rússia, em 18 de setembro de 1783.

Leonhard Euler foi um matemático e físico suíço de língua alemã que passou a maior parte da sua vida na Rússia e na Alemanha.

Euler fez muitas contribuições para a matemática moderna no campo da terminologia e da notação, em especial para as análises matemáticas, como a noção de uma função matemática. Fez, também, descobertas importantes em campos variados, nos cálculos e nos grafos. Além disso, Leonhard Euler ficou famoso pelos seus trabalhos científicos em mecânica, ótica e astronomia.

Euler é considerado um dos mais proeminentes matemáticos do século XVIII. Sobre isto, eis uma declaração atribuída a Pierre-Simon Laplace manifestada sobre Euler na sua influência sobre a matemática: “Leia Euler, leia Euler, ele é o comandante [ou seja, o mestre] de todos nós.”

A sua imagem foi incluída na nota de dez francos suíços (a atual tem a efígie de Le Corbusier) e em vários selos postais. O asteróide “2002 Euler” foi nomeado em sua homenagem. Leonhard Euler também é homenageado pela Igreja Luterana no seu calendário em 24 de maio. Ele era um devoto cristão e crente na inerrância bíblica.

Euler mostrou-se um aluno promissor no início dos seus estudos em matemática, uma promessa que foi amplamente confirmada. Os seus trabalhos reunidos enchem uma enciclopédia do tamanho de sessenta volumes! Ele foi um dos fundadores da análise e fez grandes avanços na aritmética, na geometria, na trigonometria e no cálculo. Os seus símbolos matemáticos são os que se usam hoje em dia. A constante de Euler, os números de Euler, integrais de Euler e outras formas matemáticas foram assim chamadas por ele.

Euler quase não estudava matemática. O seu pai queria que ele fosse ministro cristão. Mas Euler sabia a sua vocação e pediu para ser autorizado a mudar de curso. O seu pai finalmente concordou. Euler continuou a ser um calvinista firme durante toda a sua vida.

Ainda era Euler um jovem acabado de se licenciar quando a Czarina Catarina o convidou para ele ir para a Rússia. Ela prometeu-lhe um emprego de professor na Academia de Ciências de São Petersburgo. Mas ela morreu antes de que ele tomasse posse do lugar de professor na Academia de Ciências de São Petersburgo e as circunstâncias da vida de Euler forçaram-no a considerar aceitar um lugar marinha russa. Felizmente, a Academia de Ciências de São Petersburgo contrata-o como professor e o brilhantismo matemático de Euler não foi perdido no mar.

Com este novo cargo, viu o seu orçamento melhorar, o que lhe permitiu trabalhar mais na sua pesquisa matemática e constituir família. No dia 7 de janeiro de 1734, Leonhard Euler casa com Katharina Gsell, filha de um pintor da Academia Gymnasium. O casal comprou uma casa perto do Rio Neva e tiveram 13 filhos, dos quais apenas 5 sobreviveram à infância.

Os seus amigos ficavam surpresos com a forma como ele podia produzir um trabalho de alto calibre com os seus filhos no colo e outros pendurados nos seus ombros!

Em 1735 Euler resolve um problema que lhe dá fama mundial – o chamado “problema da Basileia.” Trata-se de somar a série infinita dos inversos dos quadrados. Johann Bernoulli tinha lutado com este problema durante décadas, tendo desafiado matemáticos de todo o mundo. Euler desenvolve assim um novo método analítico para lidar com o problema. Mas o seu método permite também somar todas as séries infinitas do mesmo tipo em que o expoente é um número par.

Durante os anos seguintes, Euler consegue transformar a Matemática e a Física. Em meia dúzia de anos produz trabalhos fundamentais em teoria dos números, séries, cálculo de variações, mecânica, entre muitos outros.

Frederico, o Grande, convida, agora, o famoso matemático para ele vir trabalhar para a Prússia. Ele aceitou o convite, abandona a Academia de Ciências de São Petersburgo e vem para Prússia, onde esteve na Academia de Berlim durante 25 anos. Mas Frederico e Voltaire, ambos odiavam o Cristianismo, zombavam de Euler por causa das suas crenças “simples.” Apesar da maldade deles, Euler publicou “Cartas a uma princesa alemã”, um livro que combina ciência e fé e escrito para uma sua aluna, que era sobrinha de Frederico. Traduzido em sete línguas, foi lido em toda a Europa. Apesar do brilho que Euler tinha emprestado à Academia de Berlim, Frederico voltou-se contra ele. Então Euler regressou à Rússia.

Os desastres agora perseguem-no. Um incêndio na sua casa. Perdeu todos os seus bens, à exceção, felizmente, dos manuscritos de Matemática. Ele tinha perdido a visão num dos seus olhos, ao resolver um problema em três dias, que a maioria dos matemáticos leva um mês. Agora, uma catarata estava formada sobre o seu outro olho. A cirurgia restaurou-lhe a sua visão, mas ambos os olhos foram infetados. Agora ele tinha dores excruciantes, de tal forma que, disse ele, somente a sua fé em Deus lhas permitiu suportar. Quando a infeção foi curada, ele estava totalmente cego. Pouco depois morre-lhe a esposa com apenas 40 anos.

Então, dão-se das maiores conquistas matemáticas de todos os tempos, quando ele resolveu alguns dos problemas mais difíceis de toda a matemática no quadro negro da sua mente, ditando as soluções aos amigos! Euler continua a ser um dos maiores génios da matemática que o mundo já conheceu.

Existe uma anedota sobre Euler e Diderot, quando este estava em São Petersburgo influenciando a corte russa com o seu ateísmo e Euler foi chamado a intervir. Euler teria uma prova matemática da existência de Deus, e teria dito “Monsieur, \frac{a+b^n}{n}=x, donc Dieu existe. Respondez!” Diderot não teria conseguido responder, e retirou-se humilhado sob os risos da corte. Esta anedota (parece que) é falsa.

****

Fontes Utilizadas:
Vários “Sítios” e enciclopédias na Internet e ainda algumas obras em papel.
Respigado daqui e dali.

Carlos António da Rocha

Este texto é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está escrito com o Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicado nem utilizado para fins comerciais; seja utilizado exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: