… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

sábado, 6 de maio de 2017

6 de maio de 1864 • Rosalind Goforth, missionária na China, “sabia que Deus responde às orações”



6 de maio de 1864 Rosalind Goforth, missionária na China, “sabia que Deus responde às orações”


Fotografia de Jonathan e Rosalind Goforth, tirada aproximadamente em 1935
Florence Rosalind Bell-Smith, mais conhecida pelo nome de casada Rosalind Goforth, nasceu no dia de hoje, 6 de maio de 1864, em Kensington Gardens, Londres, Inglaterra, mudou-se com os pais para Montreal, Canadá, três anos depois.


O pai dela era um artista. Rosalind formou-se na Escola de Artes de Toronto em maio de 1885. Ela casou-se com Jonathan Goforth em 25 de outubro de 1887 na Knox Presbyterian Church, Toronto, Canadá. Eles estiveram casados durante quarenta nove anos e tiveram onze filhos (Gertrude, Donald, Paul, Florença, Helen, Grace, Ruth, William, [a Amélia] Constance, Mary, e [o John] o Frederick), cinco deles morreram ainda crianças ou muito jovens. Ela foi a autora de “Eu sei que Deus responde às orações” (1921), da biografia do marido dela, “Goforth na China” (1937), e “Memórias da Esposa de um Missionário” (1940).



A vida de um missionário na China durante o final do século XIX e início do século XX incluía muitos fardos físicos, emocionais e espirituais. Entre estes era preciso aprender um idioma novo, ajustar-se a uma dieta diferente, deixar os modos da cultura ocidental para adotar os modos da cultura chinesa, enquanto suportavam o motim político ininterrupto e a guerra.



Jonathan e Rosalind Goforth foram missionários presbiterianos canadianos (se bem que Rosalind tenha nascido em Londres, como acima referi e tenha falecido em 31 de maio de 1942), que trabalharam entre os Chineses durante quarenta e seis anos. Eles suportaram a perda de cinco dos sets filhos ainda crianças em terras chinesas. Durante a Guerra dos Boxers (1899-1900), que é chamada também de Movimento Yijetuan, e que foi um movimento popular antiocidental e anticristão na China, os missionários cristãos que trabalhavam na China foram expulsos, perseguidos, presos e mortos. A história do casal Goforth é um exemplo “paradigmático” das vidas dos missionários que pregaram no passado o Evangelho na China.



Rosalind Goforth no seu livro “Eu sei que Deus responde às orações” dá-nos um relato das experiências fantásticas da providência de Deus na vida que ela e o seu marido (a sua família, melhor dito, a sua família espiritual) viveram inteiramente pela fé, enquanto foram missionários na China. Nele somos presenteados com histórias maravilhosas sobre como orar rodeados por dificuldades, sofrimento, escassez de recursos, tribulações e perseguições. Nos seus relatos contados na primeira pessoa percebemos o quanto Deus está próximo de nós e como Ele participa e Se interessa pelas nossas vidas agindo poderosamente nos mínimos pormenores da vida dos Seus servos, como a casa onde moravam, as roupas de vestir, o pão de cada dia e os livramentos de morte. Muitos dos milagres que aconteceram na vida daquele casal são revelados em histórias, que descrevem os instantes em que eles mais precisavam do socorro do Senhor, e como Ele movia alguém do outro lado do mundo para interceder em oração e enviar ajuda. Quantas vezes eles usaram a oração como último recurso e o Senhor atendia-os na forma de uma carta que chegava com notícias e ajuda. Ou de outras formas que a Sua Previdência prevê e provê! É um livro para ler e ser relido.



Mas, dando toda a glória a Deus, pelo extraordinário e poderoso ministério missionário do Casal Goforth desenvolvido na China, para nós hoje, podemos ainda reter, o que me parece mais relevante, é que o DEUS que “Eu sei que Deus responde às orações” de Rosalind Goforth, é ainda o nosso Deus! Deus é o mesmo e o mesmo Deus, os Seus recursos são os mesmos, o Seu amor é o mesmo, em tudo é o mesmo, “Jesus Cristo é o mesmo ontem, e hoje, e eternamente” (Hb 13:8, ARC, Pt)), o Deus que respondeu a este denodado casal de missionários cristãos nas terras do Sol nascente também nos responderá hoje a nós! Por isso… joelhos em terra, porque “para mim, bom é aproximar-me de Deus; pus a minha confiança no SENHOR Deus” (Sl 73:28, ARC, Pt)) porque “Estamos nEle” (1Jo 4:13, ARC, Pt)) ou na tradução da KJV “Nós moramos nEle.”(1Jo, 4:13), e, como muito bem expressa e condensa este pensamento o profeta Sofonias “O SENHOR, teu Deus, está no meio de ti, poderoso para te salvar” (Sf 3:17, ARC, Pt)!



****

Fontes Utilizadas:
Vários “Sítios” e enciclopédias na Internet e ainda algumas obras em papel.
Respigado daqui e dali.

Carlos António da Rocha

Este texto é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está escrito com o Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicado nem utilizado para fins comerciais; seja utilizado exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: