… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

sábado, 24 de setembro de 2016

24 de setembro de 1759 • Charles Simeon, um cristão “orante”


24 de setembro de 1759 Charles Simeon,
 um cristão “orante”

Nos seus primeiros anos de ministério, o pastor da Igreja Anglicana, Charles Simeon, nascido neste dia, 24 de setembro de 1759, era um homem rude e agressivo. Certo dia, foi visitar um pastor amigo numa povoação próxima da sua casa. Após a visita, as filhas do amigo queixaram-se ao pai sobre o comportamento de Simeon. O pai, então levou as suas filhas para o quintal, e disse-lhes: “Apanhai um daqueles pêssegos para mim.” Era o início do verão e os pêssegos estavam verdes. As meninas perguntaram-lhe por que é ele queria fruta verde, que ainda não estava madura. Ele respondeu-lhes: “Bem, minhas queridas, agora ele está verde e nós precisamos de esperar; um pouco mais de Sol, um pouco mais de chuva e o pêssego estará maduro e doce. É assim com o Senhor Simeon.”

Charles Simeon no tempo devido realmente mudou. O calor do amor de Deus, as “chuvas” dos mal-entendidos e as decepções foram os meios pelos quais ele se tornou num homem gentil e humilde.

Charles Simeon foi pastor da Igreja Anglicana, na Trinity Church, em Cambridge, na Inglaterra de 1782 a 1836. Ele foi nomeado para lá por um dos bispos da Igreja Anglicana, contra a vontade dos seus paroquianos, que se opuseram a ele, não por que ele fosse mau pregador ou exercesse mal o seu “húmus partoral”, mas porque Charles Simeon era “evangélico.” Isto é, Charles Simeon cria na Bíblia como a Palavra de Deus e regra de fé, desafiava as pessoas para a necessidade da conversão ao Novo Nascimento espiritual, e aos crentes nascidos de novo desafiava-os para a santidade pessoal e apelava às “Igrejas” e aos crentes individualmente para o desafio da evangelização do mundo e a terem amor pelas almas dos não convertidos ao SENHOR Jesus.

Durante 12 anos os seus paroquianos não permitiram que ele pregasse o sermão de domingo, à tarde. E, durante todo esse tempo, também eles boicotaram o culto dominical matinal e bloquearam os bancos da Igreja para que ninguém se pudesse sentar neles. Deste modo Charles Simeon viu-se obrigado a pregar ao seu rebanho durante 12 anos nos corredores do templo!

«Nesse estado das coisas, eu não vi outro remédio, a não ser ter fé e paciência. O trecho das Escrituras que dominava e controlava a minha mente era este: “Ao servo do Senhor não convém contender.” (2Tm 2:24, ARC, Pt) Era doloroso ver o templo da igreja, com excepção dos corredores, quase abandonada; porém, eu pensava que se apenas Deus concedesse uma bênção dobrada à Congregação que estava ali, no todo haveria tanto bem como se a congregação fosse o dobro e a bênção limitada apenas a metade dessa porção. Isso confortou-me muitas e muitas vezes, quando, sem essa reflexão eu teria sucumbido sob o meu pesado fardo.»

De onde obteve Charles Simeon a garantia, de que seguindo o caminho da paciência ele o conduziria à bênção sobre o seu trabalho, que compensaria a frustração de ter todos os bancos da “Igreja” bloqueados? Ele obteve-a de versículos da Bíblia que prometiam a graça futura, de versículo da Palavra de Deus como: “Como são felizes todos os que nEle esperam!” (Isa 30:18, NVI) A Palavra de Deus venceu a incredulidade e a fé na Graça futura venceu a impaciência.

Cinquenta e quatro anos depois destes tristes acontecimentos, Charles Simeon estava às Portas da Eternidade. As semanas arrastavam-se, como tem ocorrido com muitos santos moribundos. Aprendemos, ao lado de muitos crentes às portas da morte, que a batalha contra a impaciência pode ser muito intensa no leito de morte.

Em 21 de outubro de 1836, os crentes e familiares que estavam ao lado da sua cama, ouviram-no dizer as seguintes palavras, muito lentamente e com longas pausas:

“A infinita sabedoria dispôs tudo com infinito amor; e o infinito poder capacita-me a descansar nesse amor. Estou nas mãos do Pai amado, tudo está seguro. Quando olho para Ele, não vejo nada a não ser fidelidade, e imutabilidade, e verdade; e tenho a paz mais doce, não posso ter mais paz do que a que tenho!»

A razão para Simeon morrer assim foi a disciplina que exerceu durante 54 anos indo amiúde às Escrituras e nelas se apropriando das promessas da graça futura e de as usar para vencer a incredulidade da impaciência.

Ele aprendeu a usar a espada do Espírito para batalhar o combate da fé na graça futura. Pela fé, na graça futura, aprendeu a esperar com Deus no lugar não planeado da obediência, e a andar com Deus no passo não planeado da obediência. Com o salmista, Charles Simeon disse: “Espero no Senhor com todo o meu ser, e na sua palavra ponho a minha esperança.” (Slm 130:5, NVI)

Tanto na vida como na morte, ocorrida em 13 de novembro de 1836, Charles Simeon tornou clara e com impacto a promessa: “O Senhor é bom para com aqueles cuja esperança está nele, para com aqueles que o buscam.” (Lam 3:25, NVI)


Qual o segredo espiritual de Charles Simeon, que suportou imensas dificuldades no seu poderoso pastorado de cinquenta e quatro anos, na “Trinity Church”, em Cambridge, na Inglaterra?

A profunda influência espiritual para o bem dos pecadores e para a glória de Deus procede de homens e mulheres que se dedicam à oração e à meditação.

R. Housman, um dos amigos de Charles Simeon, que viveu com ele na mesma casa durante alguns meses diz alguma coisa sobre a sua devoção, sobre o seu grande fervor de piedade, sobre o seu grande zelo e amor.

“Invariavelmente, Charles Simeon levantava-se cada manhã, mesmo no Inverno, às quatro horas da madrugada. E depois de acender o fogo, dedicava as primeiras quatro horas do dia à oração particular e ao estudo devocional das Escrituras.”

Este era o segredo da sua grande graça e do seu vigor espiritual. Ao receber instrução dessa fonte e ao procurá-la com diligência, Charles Simeon era confortado em todas as suas provações e obtinha preparação para todos os seus deveres.

Isto é verdade tanto para os crentes individualmente como para as “Igrejas”. Sem oração persistente não temos qualquer ofensiva na batalha contra o mal. Tanto individualmente e como “Igrejas” estamos destinados a invadir e a despojar as fortalezas de Satanás.

Que o exemplo de Charles Simeon nos impulsione tanto individualmente como “Igrejas” não somente às orações ocasionais, mas a uma vida de oração, como disse Housman, com “consistência e à realidade da devoção.”

Se não vigiarmos, seremos enredados pela tentação. Tanto a nossa defesa como o nosso ataque na vida cristã é a oração activa, persistente, fervorosa e confiante no nosso Deus. Porém, cuidado, Crentes em Jesus! Não havendo nenhuma oração, não haverá nenhum poder!


****

Fontes Utilizadas:
Vários “Sítios” e enciclopédias na Internet e ainda algumas obras em papel.
Respigado daqui e dali.

Carlos António da Rocha

Este texto é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está escrito com o Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicado nem utilizado para fins comerciais; seja utilizado exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: