… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

quarta-feira, 28 de setembro de 2016

28 de setembro de 929 • O generoso rei Venceslau tinha um irmão cúpido



28 de setembro de 929 O generoso rei Venceslau tinha um irmão cúpido
 O duque Venceslau foi assassinado pelo seu irmão

O bondoso monarca da Boémia, Wratislau [Vratislav I ou Vratislaus I (888 — 13 de fevereiro de 921) foi duque da Boêmia, um ducado que teve seu ápice na Idade Média, o qual depois, deu origem à Checoslováquia], antes de morrer, deixou, como herdeiro do seu trono, o seu filho primogénito, Venceslau com apenas 13 anos, nascido no ano de 907, na atual República Checa, como era uso naqueles tempos.

Com isso, despertou na sua mulher, Draomira, a ira e a vingança, pois ela própria desejava assumir o governo do país. E se isto não fosse possível, ela pretendia entregar então o trono ao seu outro filho, Boleslau, que tinha herdado o carácter e a falta de escrúpulos da mãe, enquanto que Venceslau fora criado pela sua avó cristã, Ludmila, que por causa dos seus ensinamentos e do seu exemplo, aprendeu a ter verdadeira preocupação com os pobres e os resignados.

Mas antes que isso acontecesse, a mãe tomara à força o poder e começou uma grande e desumana perseguição aos Cristãos. Assim, pela sua maldade e impopularidade junto do povo, Draomira foi deposta pelos representantes das províncias, que fizeram prevalecer a vontade do rei Wratislau, elevando ao trono o seu filho Venceslau que assumiu o governo em 924 ou 925.

Imediatamente, seguindo o conselho da avó, Venceslau restaurou o Cristianismo no reino. Quando soube disso, Draomira ficou tão transtornada que contratou alguns assassinos para porem fim à vida da idosa e bondosa senhora, que morreu enquanto orava, estrangulada com o seu próprio véu.

Draomira sabia que ainda havia mais uma pedra no seu caminho impedindo os seus planos maldosos e a sua perseguição ao povo cristão. Venceslau era um obstáculo difícil, pois, em muito pouco tempo, já tinha conquistado a confiança, a graça e a simpatia do povo, que via nele um verdadeiro líder, um exemplo a ser seguido. Dedicava-se aos mais pobres, aos encarcerados, aos doentes, aos viúvas e aos órfãos, aos quais fazia questão de os ajudar nas suas necessidades e levando-lhes também palavras de fé, carinho e consolo.

A popularidade de Venceslau cresceu ainda mais quando, para evitar uma batalha com o rebelde duque da Kouřim, chamdo Radslav ou Radislau, que se opunha ao seu governo cristão, propôs que, em vez de entrarem de guerra, travassem entre si um torneio, evitando, assim, a morte da população inocente. Quem vencesse ficaria com o poder. No dia e na hora marcada, os adversários encontraram-se no campo de batalha. Radislau, imediatamente, atacou, de lança em punho. Contam os registos que, no momento em que feriria Venceslau mortalmente, Radislau caiu do cavalo e, quando se levantou, era já um homem modificado. Naquele momento, pediu perdão e jurou fidelidade ao seu senhor.

Venceslau tinha um irmão mais jovem, Boleslau, que tinha sido educado nos mesmos moldes de Draomira, sua mãe. Alguns nobres da Boémia ressentiram-se do facto de que Venceslau tivesse prestado vassalagem à vizinha Alemanha. Estes grupo de nobres aliaram-se com o irmão mais jovem de Venceslau, Boleslaw (conhecido historicamente como Boleslaw I, da Boémia, "o Cruel", duque Boémia, governou entre 935 e 972), tramando matá-lo.

Não passava pela cabeça do generoso Venceslau que tivesse uma oposição tão fatal dentro da sua própria família!

Quando Venceslau ia para assistir à missa neste dia, 28 de setembro de 929, o seu irmão Boleslau acompanhou-o até a porta da igreja. Mas Boleslau levava uma escolta composta por Tira, Čsta e Hněvsa.

Pressentindo algo, Venceslau disse: "Irmão, tens me sido um bom vassalo."

“E eu agora pretendo ser melhor ainda!" gritou Boleslau, e, traiçoeiramente, puxando rapidamente a sua espada da bainha desferiu violentamente com ela na cabeça do seu irmão.

Venceslau ainda teve força suficiente para arremessar o seu irmão no chão, quando, então, um dos homens de Boleslaw esfaqueou Venceslau na mão.

Venceslau procurou refúgio na igreja, mas os outros dois assassinos forçaram a porta e Boleslau invadiu a capela e apunhalou o irmão no altar da igreja

Assim, acabou assassinado Venceslau pelo irmão, de acordo com um plano diabólico da malvada rainha.

Boleslau assim assumiu a Boémia como novo duque.

Mãe e filho, porém, não tiveram tempo de saborear o poder e o trono roubado de Venceslau, pois em poucos dias Draomira teve uma morte trágica e Boleslau foi mais tarde condenado pelo imperador Otão I [Otão I, o Grande (Otto I), também Oto I (Wallhausen, 23 de novembro de 912 — Memleben, 7 de maio de 973)].

Os Boémios consideram Venceslau como um mártir e o seu “santo” mais importante. A sua imagem foi lavrada nas suas moedas e a sua coroa era um símbolo de independência checa. Embora o Papa Bento XIV [Papa Bento XIV, nascido Prospero Lorenzo Lambertini (Bolonha, 31 de março de 1675 – Roma, 3 de maio de 1758), foi Papa de 17 de agosto de 1740 até sua morte. Foi eleito com 50 votos entre 51 votantes do longuíssimo conclave de 1740] não quisesse que o governante da Boémia fosse incluído no Missal Romano [O Missal Romano é o livro usado na Missa de rito romano para as leituras próprias do celebrante (um clérigo). Ele contém vários tipos de orações eucarísticas], Venceslau acabou por sê-lo. E John Mason Neale (24 de janeiro de 1818 - 6 de agosto de 1866), escreveu um cântico imortal sobre ele, "Good King Wenceslas".

Venceslau ou Venceslaus ou Wenceslas (em checo: Václav) (907, Stará Boleslav, 28 de setembro de 929) foi duque (kníže) da Boémia de 921 até à sua morte. Ele era filho de Vratislau I, Duque da Boémia da Dinastia Premyslide. É venerado como “santo” pela Igreja Católica Romana.

****

Fontes Utilizadas:
Vários “Sítios” e enciclopédias na Internet e ainda algumas obras em papel.
Respigado daqui e dali.

Carlos António da Rocha

Este texto é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está escrito com o Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicado nem utilizado para fins comerciais; seja utilizado exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: