… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

sábado, 22 de outubro de 2016

22 de outubro de 1844 • O Dia do Grande Desapontamento

22 de outubro de 1844 O Dia do Grande Desapontamento
Miller, equivocadamente, definiu uma data para a volta de Cristo
Quando é que Cristo virá na Sua “Segunda Vinda” à Terra? Cristo advertiu que nenhum homem sabe o dia ou hora, nem os anjos do céu (Mt 24:36). Isso não impediu que alguns teólogos ou cristãos disparatassem a anunciar datas. Todos foram posteriormente desapontados pelos acontecimentos. Um dos mais importantes autores da previsão da data da “Segunda Vinda” de Cristo à Terra foi o pregador batista William Miller.

Neste dia, 22 de outubro de 1844, uma grande multidão, que uns afirmam de 50 mil pessoas e outros afiançam que seria o dobro, responde aos apelos de William Miller, um pregador batista leigo norte-americano, e prepara-se para “O Dia da Expiação”, o dia em que Jesus iria voltar à Terra. O dia passou, esse ano passou, nada aconteceu.

William Miller nasceu em 15 de fevereiro de 1782, em Pittsfield, Massachusetts, no nordeste dos Estados Unidos. Não teve possibilidades de receber uma educação muito esmerada, salvo o que ia aprendendo das suas próprias leituras, já que era agricultor. Casou-se com uma senhora chamada Lucy Smith em 1803, indo morar para Poultney, Vermont. Na “Guerra de 1812,” que se travou entre os Estados Unidos da América e o Reino Unido da Grã-Bretanha alista-se como capitão de voluntários. E, por esse tempo, da leitura das obras de Hume, Voltaire e Paine caiu no ceticismo, mas no ano de 1816 uniu-se à igreja batista em Low Hampton, tornando-se um diligente estudioso da Bíblia.

Em 1831 William Miller acreditou ter descoberto a chave para interpretar as profecias de Daniel, anunciando que o fim do mundo estava iminente, o que ocorreria por volta de 1843, dando origem ao adventismo. Assim, entre os anos de 1831 e 1844, William Miller, lançou o “grande despertar do segundo advento”. Isto baseado na sua interpretação pessoal das profecias de Daniel 8:14, sobre “as 2 300 tardes e manhãs”, donde Miller calculou que Jesus Cristo regressaria à Terra entre a primavera de 1843-1844.

Quando esse ano passou, e nada aconteceu, isto é, como a “Segunda Vinda” de Jesus Cristo à Terra não aconteceu entre a Primavera de 1843 e 1844, Miller e os seus seguidores procuraram achar onde estava o erro. Um pastor dentre eles, chamado Samuel Snow, sugeriu que Cristo viria, não na primavera, mas no outono daquele mesmo ano, exactamente no dia do juízo que acontecia no 10.º dia, do sétimo mês, do calendário judaico dos rabinos, que naquele ano recairia no dia 22 de outubro de 1844. A purificação que era feita no santuário judaico, que era um antitipo do santuário celestial, acontecia neste dia, portanto, concluiu Snow, também Cristo, o Sumo Sacerdote, viria a este mundo neste dia buscar o Seu povo. Predisseram que a data da “Segunda Vinda ”de Cristo seria em 22 de outubro de 1844. Mas como é natural, a “Segunda Vinda” de Cristo, não aconteceu. pelo que este dia é chamado de «O Dia do Grande Desapontamento».

Então, a grande maioria dos milhares de pessoas que se haviam juntado a este movimento, saiu dele, profundamente desiludidas. No entanto, uns poucos, voltaram para o estudo das suas Bíblias a fim de descobrir porque é que eles tinham sido desapontados. Apesar de nada terem visto acontecer, eles concluíram que a data de 22 de outubro ainda seria correcta, já que Miller tinha predito o evento errado para aquele dia. Eles convenceram-se de que a profecia bíblica previa não a “Segunda Vinda” de Cristo, à Terra em 1844, mas que Ele começaria naquela data um ministério especial no Céu, o dito “Juízo Investigativo”, na sua mui douta opinião.

Miller terá baseado os seus estudos da volta de Cristo à Terra em 1844, segundo parece, numa crença popular, que naquela época dizia que “a Terra era o santuário”. Quando ele deu a sua interpretação do livro de Daniel sobre a “purificação do santuário” supôs que isso seria “a purificação da Terra”. Os Adventistas, ou aqueles que mais tarde originaram os Adventistas do Sétimo Dia, ao darem uma nova interpretação dessas profecias, tiraram a conclusão de que o santuário a que se referia o “Livro de Daniel” deveria ser o Santuário Celestial, já que quando Moisés tinha iniciado a construção do santuário com o povo de Israel ao saírem da escravidão do Egipto, Deus tinha-lhes mostrado um modelo que era a cópia do verdadeiro santuário, o qual era o Santuário Celestial, afirmavam, pois.

Do pequeno grupo restante que se recusou a desistir depois d “O Dia do Grande Desapontamento” surgiram vários líderes que construíram a base do que viria a ser a “Igreja Adventista do Sétimo Dia”. Neste grupo religioso destacaram-se, nos seus primórdios, os pioneiros: Tiago e Ellen White, e José Bates, capitão da marinha mercante aposentado, e ainda também, o já muito citado William (Guilherme) Miller que morreria em 20 de dezembro de 1849 convicto de que a sua interpretação acerca da data da “Segunda Vinda” de Cristo à Terra estava correta!

****

Fontes Utilizadas:
Vários “Sítios” e enciclopédias na Internet e ainda algumas obras em papel.
Respigado daqui e dali.

Carlos António da Rocha

Este texto é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está escrito com o Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicado nem utilizado para fins comerciais; seja utilizado exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

1 comentário:

lui disse...

Infelizmente muitos continuam a crer e praticar essa herética religião.Fazem de tal maneira uma lavagem em suas mentes,que são escravos de suas doutrinas. Ficam presos nessa rede e dificilmente conseguem ser livres.Não aceitam argumentação bíblica para lhes mostrar os erros.São como os Testemunhas de Jeová.