… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

sexta-feira, 7 de outubro de 2016

7 de outubro de 1873 • A extraordinária ‘Lottie’ Moon aporta na China


7 de outubro de 1873 • A extraordinária ‘Lottie’ Moon 
aporta na China
“Se tivesse mil vidas, eu dá-las-ia todas pelas mulheres da China”, disse Lottie Moon. Estas palavras foram um testemunho do quanto Cristo a tinha mudado. Ela não fora sempre tão dedicada. Pelo contrário, quando ela criança que foi chamada de "diabo" por causa da sua atitude desafiadora.

O pai de Lottie era um bem sucedido negociante de algodão, quando ela nasceu em Viewmont, numa plantação da Virgínia em 12 de dezembro de 1840, nos Estados Unidos da América. Mas ele morreu quando ela tinha apenas treze anos. Iria levá-la à rebelião, o amargor para com Deus pela perda do seu pai?

Lottie não gostava de ir à igreja. Mas por causa de uma amiga, ela concordou em participar duma reunião missionária. Nessa mesma reunião, o Espírito Santo mostrou-lhe como era feio o seu espírito. Depois de orar a noite toda, ela confessou o seu mau comportamento para com Deus e para com os outros. Ela decidiu tornar-se missionária. Lottie era uma boa aluna, estudou bastante e concluiu o seu mestrado. Dois anos depois, ela foi de barco como missionária Batista do sul para a China. Ela aportou na China, neste dia, 7 de outubro de 1873, e começou a trabalhar em Tonchow, no norte da China. Os seus apelos inspirados aumentavam os fundos de missão nos Estados Unidos, especialmente na época do Natal.

Os chineses não respondiam bem aos seus primeiros contactos. Quando ela lhes oferecia, nos seus primeiros tempos de China, bolos de manteiga confeccionados por ela em casa, eles recusavam aceitá-los, pensando que estavam envenenados! Aos poucos, ela quebrou as barreiras. Para isso ela usou o tricô e as habilidades de costura para interessar as mulheres chinesas.

Onze anos depois de ter vindo para a China preparava-se para uma muito necessária e merecida licença. Quando ela estava prestes a embarcar para os Estados Unidos, os homens de Pintow chegaram a pé, pedindo-lhe para vir trabalhar na sua cidade, onde muitos estavam ansiosos por ouvir o Evangelho. Lottie imediatamente abandonou os seus planos para descansar, mudou-se para Pintow, e levou muitas pessoas a conhecerem a Jesus, o qual tinha mudado também a sua própria vida. Durante os seus quarenta anos na China, ela teve apenas oportunidade para três folgas!

Quando ela estava na casa dos setenta anos, a China sofreu uma fome severa. Lottie não podia comer porque o seu povo não tinha nada para comer também. Naturalmente, ela ficou doente. Ela foi colocada num barco para voltar para os Estados Unidos, mas morreu de fome no dia 24 de dezembro de 1912, quando o navio atingiu Kobe, no Japão. Ela pode não ter dado mil vidas imaginárias pela China, mas deu a que tinha!

Charlotte Digges "Lottie" Moon (12 de dezembro de 1840 - 24 de dezembro de 1912) foi uma missionária norte-americana baptista do sul na China, que trabalhou sob a Junta de Missões Estrangeiras (Foreign Mission Board), tendo passado quase 40 anos (1873-1912), ajudando os chineses.

****

Fontes Utilizadas:
Vários “Sítios” e enciclopédias na Internet e ainda algumas obras em papel.
Respigado daqui e dali.

Carlos António da Rocha

Este texto é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está escrito com o Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicado nem utilizado para fins comerciais; seja utilizado exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: