… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

sábado, 8 de outubro de 2016

8 de outubro de 1864 • O “insuportável” Jerry Mcauley inaugura a primeira Missão de Resgate nos E. U. A.



8 de outubro de 1864 • O “insuportável” Jerry Mcauley inaugura a primeira Missão de Resgate nos E. U. A.
 
Depois de um começo de vida muito difícil, Jerry McAuley descobriu que com Deus nada é impossível

Jerry Mcauley (1839, Irlanda - 18 de setembro de 1884), era tão completamente mau, era o tipo de pessoa a que chamamos de “insuportável.” Nascido na Irlanda em 1839, ele foi criado por uma avó, porque a sua mãe não podia ou não queria cuidar dele. Quem era o seu pai, ele não sabia. A sua avó amaldiçoou-o porque ele lhe atirava torrões, enquanto ela rezava o terço.

Quando Jerry McAuley, ainda garoto, foi da Irlanda para os Estados Unidos de navio, já ele tinha visto o pior da vida. Havia sido abandonado, tinha passado fome, tinha apanhado grandes cargas de porrada e aprendera a sobreviver nas ruas à custa de pequenos furtos.

Foi, entretanto, nas favelas da cidade de Nova Iorque no fim do século dezanove, que ele passou por terrores ainda piores.

Jerry cresceu num celeiro malcheiroso, bebendo muito e sobrevivendo daquilo que podia roubar aos vendedores ambulantes. Logo se juntou a uma corja e tornou-se um rato de porto, um género de ladrão, que saqueava à noite navios ancorados no porto.

Aos dezanove anos, já havia cometido todos os crimes mais graves excepto o assassinato.

Jerry McAuley não demonstrava quaisquer sinais de mudança, senão que continuava uma ameaça à sociedade. A brutalidade das ruas tomara conta dele. Ele não sabia positivamente nada sobre escolas, igreja ou vida em família. A única verdade que aprendera era aquilo que era capaz de controlar com os seus punhos.

Finalmente um juiz condenou-o a quinze anos de prisão. A sentença seria cumprida na prisão de Sing Sing.

A vida na prisão de Sing Sing era ainda mais brutal do que tudo o que já conhecera.

O evento que o transformou de um caso “impossível” para um ganhador de almas foi o testemunho de um ex-amigo que se havia tornado cristão. Jerry queria ter a esperança que ele viu em Hezekiah Orville Gardner, de alcunha “O Terrível” (c. 1825-c. 189?).

No tempo livre da prisão de Sing Sing, Jerry aprendeu a ler. Ele começou a ler a Bíblia e tentou desesperadamente orar. Foi então que descobriu a biografia mais notável do mundo: a vida de Jesus contada na Bíblia. Ele achou o livro fascinante, e leu-o duas vezes. Finalmente uma noite, uma presença sobrenatural apareceu-lhe na sua cela e uma voz parecia dizer: “Filho, os teus muitos pecados te são perdoados.” McAuley não conseguia mudar de vida completamente duma vez. Durante muito tempo não lhe pareceu possível que Deus o pudesse perdoar. Mas, finalmente, após uma intensa luta espiritual, ele cedeu à graça de Deus e aceitou o facto de que Ele o havia perdoado por amor a Jesus.

Ele ainda bebeu demais e lutou algumas vezes. Mas naquela noite ele foi convertido.

As mudanças na vida de Jerry McAuley logo ficaram evidentes para todos na prisão.

Um outro tipo de vida, uma nova biografia se iniciava dentro dele, produzindo-lhe paz e alegria. Quando lhe batiam ou cuspiam, ele não ripostava. Os prisioneiros só podiam comunicar-se durante a meia hora do jantar, e em voz baixa. Mas Jerry usava aqueles momentos para compartilhar sua fé em Cristo.

Perdoado pelo governador Horatio Seymour, ele foi libertado no dia 8 de março de 1864.

Após ser libertado da prisão, Jerry McAuley passou por uma grande provação. Ficou abismado com a hipocrisia demonstrada por alguns dos crentes que conheceu. O velho apetite pelo álcool renasceu, e após algum tempo fora da prisão, ele voltou ao velho estilo de vida. Felizmente, um amigo convenceu-o a ir à igreja para uma reunião especial.

Ali ele encontrou o amor de cristãos dedicados e fez um novo compromisso com Jesus Cristo. Desta vez ficou perto dos irmãos em Cristo e da Bíblia. Desta vez ele gravou no seu coração a história para sempre. O Messias que curou os doentes e pregou aos pobres e animou os oprimidos, começou a viver através da vida de Jerry McAuley.

Depois de uma renovação da sua fé, Jerry McAuley começou a trabalhar para Deus.

Jerry começou a trabalhar com as pessoas das ruas de Nova Iorque, cujas histórias eram tão trágicas quanto a sua havia sido.

Ele economizou dinheiro e neste dia, 8 de outubro de 1871, abriu uma missão na Water Street, em Nova York para recuperar homens que tinham um comportamento como ele tinha tido. Situada num antigo salão de baile, foi a primeira missão de resgate nos Estados Unidos, a precursorsa de muitas outras.

Ele organizou uma missão de resgate, confiando que Deus proveria os recursos. Assim Deus cooperou com a sua fé, e o ministério de Jerry crescia conforme os anos se passavam.

A missão de McAuley na Water Street foi um projecto pioneiro de trabalho com pessoas das ruas, dando um exemplo que muitos outros seguiriam.

Jerry trabalhou fiel e animadamente entre os mendigos até sua morte ocorrida em 18 de setembro de 1884.

A sua missão ainda continua até hoje. A biografia de Jesus continua viva. Os bêbados, os abandonados e os desesperados das ruas de Nova Iorque sentiram o toque de Cristo. Experimentaram o amor prático de Jesus Cristo, através do ministério de Jerry McAuley.

O Messias ainda está bem vivo, transformando casos sem esperança numa extensão da Sua gloriosa biografia.

Centenas de homens passaram de uma vida de pecado e de miséria para uma vida de esperança em Cristo.

Jerry também inspirou Emma Mott Whittemore a iniciar a sua missão “Porta da Esperança” para mulheres caídas. Depois de um começo de vida muito difícil, Jerry McAuley descobriu que com Deus nada é impossível. A vida de Jerry demonstra o poder de Deus para fazer o impossível: mudar a vida daqueles que estão podres desde o âmago.


****

Fontes Utilizadas:
Vários “Sítios” e enciclopédias na Internet e ainda algumas obras em papel.
Respigado daqui e dali.

Carlos António da Rocha

Este texto é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está escrito com o Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicado nem utilizado para fins comerciais; seja utilizado exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: