… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

segunda-feira, 12 de dezembro de 2016

12 de dezembro de 1922 • O multimilionário John Wanamaker, um ganhador de almas


12 de dezembro de 1922 O multimilionário John Wanamaker, um ganhador de almas

John Wanamaker, um dedicado professor da Escola Dominical
Em 12 de março de 1888, com 50 anos de idade John Wanamaker laboriosamente copia à mão cartas para cada um dos membros da sua grande classe da Escola Dominical - uma Escola Dominical que ele tinha fundado. O pensamento central da carta era: “Se tu não estás salvo, meu querido amigo, - procura refúgio, correndo para o Salvador misericordioso, corre o mais rapidamente possível para os braços dEle, como se fosses voando, entrando esta noite nesta sala quente, vindo das ruas frias e da neve arrastada pela corrente e pelo vento. - Se estais salvos - humildemente confiando no que Jesus fez quando o Seu amor por nós não falhou na Cruz – pensai nos outros não salvos - NÃO SALVOS - indo para as trevas eternas - os vossos amigos íntimos, os vossos familiares querido - e fazei alguma coisa!”


Toda a sua vida, John Wanamaker fez alguma coisa - não apenas convertendo pessoas, mas fazendo negócios, pelo que ele se tornou num grande negociante. Presbiteriano, ele foi um forte defensor da A. C. M. nos anos em que o objecto principal dela era converter os homens a Cristo. Ele foi tão bem sucedido na promoção da organização que os seus apoiantes nomearam-no secretário nacional. Mas John Wanamaker casou-se e teve de encontrar trabalho para ter com que sustentar a sua família. Sendo uma pessoa enérgica e empreendedora (ele conseguiu o seu primeiro emprego como garoto de recados aos treze anos com o vencimento de US $ 1,25 por semana), John e um sócio compraram roupas masculinas num negócio.



Com talento para grandes projetos, John comprou um depósito ferroviário abandonado e tentou convencer outros comerciantes para abrirem lojas no edifício. Quando ele não conseguiu persuadir os outros a assumirem o risco, ele montou lá as suas próprias lojas, criando uma das primeiras lojas com várias secções comerciais de sucesso nos Estados Unidos. O seu edifício comercial teve mesmo um telégrafo sem fio, e, consequentemente, foi a primeira estação nos Estados Unidos a saber do naufrágio do Titanic. John Wanamaker era um líder em publicidade, em garantias de dinheiro e na oferta aos seus colaboradores de benefícios como pensões, seguro de vida e férias. A sua loja de New York foi a primeira a mostrar as iluminações eléctricas de Natal!



Apesar de ter a vida tão ocupada com tantos negócios, a preocupação de John Wanamaker para com as almas continuou. Durante a Guerra Civil (dos E. U. A.), ele foi um forte defensor da Comissão Civil dos Estados Unidos (United States Civil Commission), uma agência que levou o conforto espiritual e o auxílio médico aos soldados. Ele deu grandes somas de dinheiro para instituições de caridade, como o Children’s Wing of Philadelphia’s Presbyterian Hospital, em Filadélfia. Dedicava os domingos para o trabalho espiritual. “Se tu, uma vez, tens o prazer e a doce alegria de trazer uma alma a Cristo, tu estarás com fome para conseguir outra”, disse ele.



Perguntaram-lhe numa entrevista como é que ele conseguiu suportar a carga das suas muitas tarefas, John Wanamaker respondeu: “Quando me canso com alguma actividade, passo para outra, e descanso a mente nisso.” Ele refletidamente, aconselhou: “Faça o melhor que puder e deixe o resto para a Providência.”



Como ganhador de almas, John Wanamaker cria que não tinha de trabalhar sozinho. “Quando tu tens fé suficiente e amor suficiente para começares no esforço de trazer almas para o Salvador - Deus, o Espírito Santo, une-Se ao teu esforço, pois Deus quer que todos sejam salvos, e Ele coopera até com o mais dos mal dotados que se ocupa na Sua obra.”


John Wanamaker morreu neste dia, 12 de dezembro de 1922.



John Wanamaker nascido no ano de 1838 foi um comerciante multimilionário, um político e figura cívica dos Estados Unidos, considerado como o pai da moderna publicidade, e sobretudo, um dedicado professor da Escola Dominical na sua Assembleia Local e um Cristão ganhador de almas.


****

Fontes Utilizadas:

Vários “Sítios” e enciclopédias na Internet e ainda algumas obras em papel.

Respigado daqui e dali.

Carlos António da Rocha

Este texto é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está escrito com o Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicado nem utilizado para fins comerciais; seja utilizado exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: