… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

8 de dezembro de 1934 • John e “Betty” Stam são assassinados na China


8 de dezembro de 1934 John e “Betty” Stam são assassinados na China
John Cornelius Stam e Elisabeth Alden Scott Stam, Mártires na China.
John e a sua adjutora “Betty” Stam viviam numa cidade pequena chamada Tsingteh perto da costa leste da China. No ano de 1934, o magistrado da cidade advertiu-os de que os comunistas viriam prendê-los. John decidiu comprovar com os seus próprios olhos se isto era verdade, ainda que de todas as maneiras tivessem começado os preparativos para abandonarem a cidade.

Entretanto, os soldados comunistas chineses chegaram à casa dos Stam e exigiram-lhes que eles lhes entregassem todo o dinheiro que tinham. Os Stam assim fizeram. Não satisfeitos com isto, pouco tempo depois prenderam John e levaram-no às suas chefias. Os soldados comunistas chineses deixaram em liberdade Betty, Elisabeth, a esposa do missionário, à bebé deles (Helen), à criada deles e ao cozinheiro deles, em casa do casal. Logo em seguida os soldados comunistas chineses regressaram à casa de John e prenderam a Betty, a esposa de John Stam e à bebé deles. A criada e o cozinheiro chineses deles pediram aos soldados para serem também presos com elas, mas os soldados ameaçaram-nos com as armas, que os matariam se eles insistissem em querer ser presos com os “rebeles cristãos”. Na prisão para aonde elas foram levadas, acabaram por se juntar na mesma cela com o pai de família. Nessa mesma noite, John escreveu uma carta às autoridades da Missão “China Inland Mission”, informando que os soldados chineses que os mantinham presos pediam um resgate de vinte mil dólares.

Essa carta, nunca chegou ao seu destinatário. Mais adiante foi encontrada entre as roupas de Helen. Nela ele também informava de que os tinham prendido. Terminava a sua carta com as palavras de Filipenses 1:20: “Cristo será, tanto agora como sempre, engrandecido no Meu corpo, seja pela vida, seja pela morte.”

Depois levaram John, Betty, e à pequenina Helen para a prisão local, aonde os prenderam, e onde eles compartilhavam a cela com muitos outros presos comuns. De repente, a pequena Helen começou s chorar, e um soldado sugeriu que a matassem, posto que ela, no fim de contas, apenas estava viva! Então um dos presos, que já estava na cela, onde eles acabavam de ser metidos, perguntou por que é que deviam matar uma bebé inocente. Então os soldados voltaram-se para ele e gritaram-lhe se ele estava disposto a morrer pelo bebé estrangeiro. E diante dos olhos dos Stam cortaram o homem em pedaços! Que tinha sido pela pequena Helen, diziam os carcereiros. Assim isso permitiu a Helen viver.

Na manhã seguinte, eles foram forçados a marchar 12 milhas até à povoação de Miaosheo. À noite pararam, e foi permitido a Betty cuidar da pequena Helen. Nessa altura a mãe, aproveitando a ocasião ocultou a pequena Helen dentro de um saco de dormir.

John Cornelius Stam e Elisabeth Alden Scott Stam, ou “Betty” foram conduzidos por várias ruas no povoado de Miaosheo rumo à morte, para exemplo dos cidadãos chineses. A multidão estava alinhada de ambos os lados da rua. Um comerciante chinês atreveu-se a entrar por entre a coluna e falou com os soldados comunistas, tentando persuadi-los a não matarem os Stam. Então, os soldados prenderam também este homem por que se atrevera a confrontá-los e dirigiram-se a sua casa. Depois eles disseram que lá tinham encontrado Bíblias e hinários. Os soldados, juntaram-no com os Stam na marcha para a morte, também por ser um cristão. Depois, retomaram a marcha interrompida e perante os habitantes daquela povoação, ordenaram a John que se ajoelhasse, e aí o decapitaram. Alguns metros mais à frente assassinaram a Betty e ao comerciante chinês.

Dois dias depois um pastor chinês encontrou a bebé. Ocupou-se dela, deu-lhe um lar e educou-a como sua própria filha.

Quanto aos corpos dos pais de Helen, um pequeno grupo de cristãos encontraram os seus corpos e enterraram-nos numa ladeira.

John Cornelius Stam (18 de janeiro de 1907 a 8 de dezembro de 1934) e Elisabeth Alden Scott Stam, ou “Betty” (22 de fevereiro de 1906 a 8 de dezembro de 1934) foram um casal de missionários cristãos norte-americanos que trabalhavam para a “China Inland Mission”, durante a Guerra Civil Chinesa, na China. Este casal missionário foi brutalmente assassinado por soldados comunistas chineses neste dia, 8 de dezembro de 1934.

****

Fontes Utilizadas:
Vários “Sítios” e enciclopédias na Internet e ainda algumas obras em papel.
Respigado daqui e dali.

Carlos António da Rocha

Este texto é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está escrito com o Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicado nem utilizado para fins comerciais; seja utilizado exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: