… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

domingo, 2 de abril de 2017

2 de abril de 1914 • Nascem “as Assembleias de Deus”




2 de abril de 1914 Nascem “as Assembleias de Deus”

Eudorus N. Bell (1866 — 1923), o 'líder' do grupo dos cristãos pentecostais que se reuniram em Hot Springs, no Arkansas, E.U.A.
A “Assembleia de Deus”, a maior denominação pentecostal de hoje em dia, começou como uma tentativa de alcançar alguma coesão, assim como alguma regulamentação, dentro do movimento. Havia muitas acusações de conduta inadequada nas áreas financeira e sexual, por parte dos principais pregadores. Havia também várias disputas doutrinárias.



Um grupo de pentecostais do sul dos E. U. A., liderado por Eudorus N. Bell, passou a autodenominar-se “Fé Apostólica” e começou a buscar união dentro do movimento. À medida que outras pessoas se juntaram a eles, o nome mudou para “Igreja de Deus em Cristo”. Em 1913, essa igreja era composta por 352 ministros numa associação bastante livre, sem qualquer autoridade que os unisse. O grupo convocou todos os pentecostais para uma reunião a realizar, em Hot Springs, no Arkansas, no início de abril de 1914. O propósito era: união, estabilidade, credibilidade do movimento e criação de um programa de missões e de institutos bíblicos. Foi assim que nasceu a denominação chamada “Assembleia de Deus.”



Apesar das questões pentecostais se tornarem a razão pela qual houve divisão de muitas igrejas não-pentecostais, o pentecostalismo provavelmente foi a arma mais poderosa do cristianismo no século XX. A sua ênfase em missões e no evangelismo resultou num crescimento fenomenal do movimento, tanto nos E. U. A. como por todo o mundo.



A conferência teve início neste dia, 2 de abril de 1914, no Grand Opera House, em Hot Springs, no estado norte americano do Arkansas. Foi uma reunião informal e um tanto incomum, um encontro de 300 delegados ansiosos, os quais acreditavam no batismo do Espírito Santo. Eles haviam sido convocados por Eudorus N. Bell, editor do Word and Witness (Palavra e Testemunho). Naquele tempo não muitos americanos criam no “falar em línguas” ou “em outras manifestações visíveis” do Espírito, tais como a “cura”, “visões” e “milagres diários.” Mas este este grupo cria nisso, e muito entusiasticamente!



Em 1901, o pentecostalismo moderno explodiu em Bethel Bible College em Topeka, Kansas, espalhando-se rapidamente pelo corpo discente. Logo havia profunda agitação na Rua Azusa (California's Azusa Street Mission) e a partir daí em todos os estados dos Estados Unidos da América. Nesses primeiros anos, o zelo, por vezes, ultrapassou o decoro. Alguns grupos foram invadidos por videntes. Indivíduos resvalaram em graves erros morais, confiando na orientação interior e não nas palavras da Escritura. Muitos renunciaram completamente do estudo da Palavra de Deus, contando com o Espírito Santo para a orientação de improviso. Vários observadores, entre eles, perceberam que os pentecostais necessitavam de coordenar os seus esforços, se fossem partir para a propagação da sua fé, com tanto efeito como o seu zelo desejava.



Após três dias de oração e devoção, que procedeu o assunto em debate, uma agenda que incluiu cinco temas principais: a definição da doutrina básica, gerir as rendas do movimento, estabelecer normas para o trabalho missionário, orientações para as igrejas para serem legais, e considerar a criação de uma escola bíblica. "Eles rapidamente concordaram com um preâmbulo de reprovar todos os métodos sem base bíblica, de doutrinas e de conduta, e aprovar toda a verdade bíblica e conduta ..."



Eles elegeram um comité executivo. Destinado inicialmente apenas para organizar conferências anuais. A comissão rapidamente metamorfoseou-se no corpo diretivo de uma nova denominação. As Assembleias de Deus nasceram.




****

Fontes Utilizadas:
Vários “Sítios” e enciclopédias na Internet e ainda algumas obras em papel.
Respigado daqui e dali.

Carlos António da Rocha

Este texto é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está escrito com o Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicado nem utilizado para fins comerciais; seja utilizado exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: