… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

12 de janeiro



C. H. Spurgeon
Leituras Matutinas
12 de janeiro

“E vós de Cristo.” (1Co 3:23, ARC, Pt)

“E vós,de Cristo.” Tu és dEle por doação, pois Deus entregou-te a Seu Filho; Seu pela compra do Seu sangue, pois Ele pagou o preço da Tua redenção; Seu por dedicação, pois tu foste consagrado para Ele; Seu por parentesco, pois foste nomeado com o Seu nome e feito um dos seus irmãos e um dos Seus co-herdeiros. Esforça-te por mostrar ao mundo que és o servo, o amigo e a noiva de Jesus. Quando te sentires tentado a pecar, responde: “Eu não posso cometer esta horrenda maldade, pois eu sou de Cristo.” Princípios que reputamos imortais proíbem pecar ao que é amigo de Cristo. Quando diante de ti haja riquezas que possam ganhar-se ilegalmente, responde que tu és de Cristo e não as toques. Estás exposto a dificuldades e a danos? Permanece firme no dia mau, recordando que tu és de Cristo. Estás colocado onde outros se sentam ociosos e não fazem nada? Levanta-te para trabalhares com todas as tuas forças! E quando o suor apareça na tua testa e te sintas tentado a passar (o tempo) indolentemente, grita: “Não, eu não me posso deter, pois eu sou de Cristo. Se eu não fosse comprado com sangue, poderia, à semelhança de Issacar estar “deitado entre dois fardos”; mas eu sou de Cristo e não posso passar (o tempo) indolentemente.” Quando a música da sereia do prazer te queira tentar para te apartares do caminho daquilo que está certo, responde: “A tua música não me pode fascinar, pois eu sou de Cristo.” Quando a causa de Deus te chame, consagra-te a ela; quando o pobre te peça, dá-lhe dos teus bens e dá-te a ti mesmo, pois tu és de Cristo. Nunca desmintas a tua crença. Sê sempre um daqueles cujas maneiras são cristãs, cuja palavra é igual à do Nazareno, cuja conduta e conversação têm tanta fragrância do Céu que todos os que te vejam digam que tu és do Salvador e reconheçam em ti as Suas feições de amor e o Seu semblante de santidade. “Eu sou Romano!” era o antigo motivo para se viver integralmente. Com maior razão, então, seja o teu argumento “Eu sou de Cristo!” para viveres em santidade.





Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: