… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

2 de janeiro


C. H. Spurgeon 
Leituras Vespertinas
2 de janeiro

“E os povos renovem as forças.” (Is 41:1, ARC, Pt)


TODAS as coisas da Terra precisam de ser renovadas. Nenhuma coisa criada pode continuar existindo pelos seus próprios meios. “Tu renovas a face da Terra”, era a expressão do Salmista. Até as árvores, as quais não se consomem com cuidados, nem encurtam a sua vida com fadiga, têm de beber a chuva caída do céu e absorver dos tesouros ocultos do solo. Os cedros do Líbano, que Deus plantou, vivem apenas porque dia a dia se enchem de seiva fresca retirada da terra. Nem a vida do homem pode ser sustentada sem ser renovada por Deus. Como é necessário reparar os desgates do corpo através da refeição frequente, do mesmo modo temos de reparar o desgaste da alma alimentando-a com a leitura do Livro de Deus, com a escuta da Palavra pregada e com a participação na Ceia do Senhor. Quão deprimidos são os nossos dons, quando os meios da graça são negligenciados! Oh que pobres famintos são alguns santos que vivem sem o uso diligente da Palavra de Deus e da oração íntima! Se a nossa piedade pode viver sem Deus, então não é de criação divina, é apenas uma ilusão, pois se Deus a tivesse feito nascer, ela ia esperar nEle como as flores esperam pelo orvalho. Sem a constante renovação não estamos prontos para fazer frente aos ataques perpétuos do Inferno, ou às severas aflições do céu, ou mesmo às lutas interiores. Quando o furacão se solta, ai daquela árvore que não tem absorvido seiva fresca, e não se tem agarrado à rocha, entrelaçando-se nela com muitas raízes. Quando as tempestades se levantam, ai dos marinheiros que não têm fortalecido o seu mastro, nem lançando as suas âncoras, nem procurado o porto de abrigo. Se deixamos o bem para crescermos fracos, o mal vai certamente ganhar força e lutará desesperadamente para ter o domínio sobre nós, e assim, quiçá, podem seguir-se uma desolação dolorosa e uma lamentável desgraça. Aproximemo-nos em súplica humilde do escabelo do trono da divina misericórdia, e experimentemos o cumprimento da promessa: “Os que esperam no SENHOR renovarão as suas forças.”

Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: