… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

sábado, 21 de janeiro de 2017

21 de janeiro



William MacDonald 
Um dia de cada vez
21 de janeiro

E o espírito do Senhor se retirou de Saul, e o assombrava um espírito mau, da parte do Senhor.” (1Sm 16:14, ARC, Pt)

Há versículos na Bíblia que parecem dizer que Deus faz coisas más. Por exemplo, no terceiro ano do reinado de Abimelech, rei de Israel: “Enviou Deus um mau espírito entre Abimelech e os cidadãos de Siquém; e os cidadãos de Siquém se houveram aleivosamente contra Abimelech.” (Jz 9:23, ARC, Pt).



Noutra ocasião o profeta Mica disse ao ímpio rei Acab: “Agora, pois, eis que o Senhor pôs o espírito de mentira na boca de todos estes teus profetas, e o Senhor falou mal contra ti.” (1Rs 22:23, ARC, Pt) Job atribuía as suas perdas ao Senhor quando disse: “receberemos o bem de Deus, e não receberíamos o mal?” (Jb 2:10, ARC, Pt). E uma vez mais em Isaías 45:7 o Senhor mesmo diz: “... Eu formo a luz, e crio as trevas; eu faço a paz, e crio o mal.



Contudo, sabemos já que Deus é Santo, não pode originar o mal nem desculpá-lo. O Senhor não é o causador do pecado, da enfermidade, do sofrimento ou da morte. Deus é luz, e não há trevas nEle (1Jo 1:5). É inconcebível que Ele seja a origem de algo que se contrapõe à Sua própria perfeição moral.



As Escrituras afirmam que Satanás é o autor da enfermidade, do sofrimento, da tragédia e da destruição. As perdas que Job sofreu e a sua intensa dor foram a obra do Maligno. Jesus disse que a mulher encurvada tinha estado atada por Satanás por dezoito anos (Lc 13:16). Paulo queixava-se de um aguilhão na sua carne e referia-se a ele como: “um mensageiro de Satanás”(2Co 12:7). Satanás é o culpado de todos os problemas de que padece a humanidade.



Mas, como podemos reconciliar tudo isto, com aqueles versículos que descrevem Deus como dando origem ao mal? A explicação é simplesmente esta: Na Bíblia diz-se frequentemente que Deus faz algo quando Ele permite que aconteça. Esta é a diferença entre a Sua vontade diretiva e a Sua vontade permissiva. Com frequência Deus permite que o Seu povo passe por experiências que Ele nunca teria desejado para eles. Permitiu que Israel vagueasse pelo deserto quarenta anos enquanto que a Sua vontade diretiva, se esta tivesse sido aceite, tê-lo-ia levado à Terra Prometida por uma rota mais curta.



Mas, até permitindo que os demónios ou o homem façam o mal, Deus sempre tem a última palavra. Invalida o mal para a Sua própria glória e para abençoar aqueles que por meio dele são provados.




Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: