… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

sábado, 21 de janeiro de 2017

21 de janeiro


C. H. Spurgeon 
Leituras Matutinas
21 de janeiro
E, assim, todo o Israel será salvo.” (Rm 11:26, ARC, Pt)

QUANDO Moisés cantou diante do Mar Vermelho, ele regozijou-se sabendo que todo o Israel estava salvo. Nem uma gota de água caiu daquela sólida muralha até que o último homem do Israel de Deus tinha plantado os seus pés com segurança na outra margem do Mar. Feito isto, imediatamente as águas se juntaram outra vez, mas não até então. Parte daquele cântico era: “Tu, com a Tua beneficência, guiaste a este povo, que salvaste.”

No último dia, quando os escolhidos cantarão o cântico de Moisés, servo de Deus e do Cordeiro, este será o canto triunfal de Jesus: “Dos que Me deste nenhum deles perdi.” No Céu não haverá tronos desocupados.

“Porquanto toda a raça escolhida
Encontrar-se-á em torno do trono,
Abençoará a direção da Sua graça,
E torna as Suas glórias conhecidas.”

Todos os que foram escolhidos por Deus, todos os que foram redimidos por Cristo, todos os que foram chamados pelo Espírito, todos os que crêem em Jesus, cruzarão seguros o mar. Nem todos desembarcaram sem perigo, pois

“Parte da hoste cruzou já o mar
E parte está-o cruzando agora.”

A vanguarda do exército já chegou à costa. Nós estamos marchando através das profundidades, estamos neste dia seguindo com dificuldade o nosso Guia no coração do mar. Estejamos de bom ânimo, a retaguarda depressa estará onde já está a vanguarda; o último dos escolhidos depressa terá cruzado o mar, e então se ouvirá o cântico de triunfo, quando todos estejam seguros. Mas oh! Se um dos Seus estivesse ausente, se um da Sua família escolhida fosse rejeitado, haveria uma eterna discórdia no caminho dos redimidos, e isto cortaria as cordas das harpas do Paraíso de tal forma que nunca poderia conseguir-se música delas. Mas isto não acontecerá, pois todos os Seus têm de estar lá.


Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: