… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

sábado, 28 de janeiro de 2017

28 de janeiro


C. H. Spurgeon
Leituras Vespertinas
28 de janeiro

“E voltaram os pastores, glorificando e louvando a Deus, por tudo o que tinham ouvido e visto, como lhes havia sido dito.” (Lc 2:20, ARC, Pt)

QUAL era o motivo do seu louvor? Eles louvam a Deus pelo que tinham ouvido — pelas boas novas de grande alegria de que um Salvador lhes havia nascido. Imitemo-los; entoemos nós também um cântico de acção de graças por termos ouvido de Jesus e da Sua salvação. Eles também louvavam a Deus pelo que tinham visto. Há uma música mais melodiosa — o que temos experimentado, o que temos sentido em nós, do que nos temos apropriado — “as coisas que temos feito referente ao Rei.” Não é suficiente ouvir a respeito de Jesus. O mero acto de ouvir pode afinar a harpa, mas são os dedos da fé viva os que produzem a música. Se tens visto Jesus com a visão da fé que Deus dá, não consintas que as teias de aranha estejam entre as cordas da harpa, porém, em alta voz, para louvor da soberana graça, acorda o teu saltério e a tua harpa. Um motivo pelo qual eles louvavam a Deus era a concordância que havia entre o que tinham ouvido e o que tinham visto. Observa a última proposição: “Como lhes havia sido dito.” Tens achado que o Evangelho não tem sido para ti o que a Bíblia diz que ele devia ter sido? Jesus disse que te daria descanso. Não tens gozado nEle, a paz mais graciosa? Ele disse que terias gozo, bem-estar e vida, crendo nEle. Não tens recebido todas estas coisas? Não são os Seus caminhos, caminhos de gozo e os Seus passos, passos de paz? Sem dúvida, tu podes dizer com a rainha de Sabá: “E eis que me não disseram a metade.” Tenho achado Cristo mais gracioso do que me disseram os Seus servos que Ele era. Contemplei o Seu parecer enquanto O descreviam, mas isso era uma mera pintura tosca e grosseira comparada com Ele em pessoa; porquanto o Rei na Sua formosura eclipsa toda a beleza imaginável. De facto, o que temos visto acompanha não somente isto mas até excede o que temos ouvido. Então, glorifiquemos e louvemos a Deus por um Salvador tão precioso e que tanto satisfaz.



Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: