… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

5 de janeiro



C. H. Spurgeon
Livro de Cheques do Banco da Fé

5 de janeiro
“Eu sou teu Deus; Eu te fortaleço.” (Is 41:10, ARC, Pt)

Quando somos chamados a servir ou a sofrer, fazemos um inventário das nossas forças, e descobrimos que são menos do que pensávamos, e menos do que necessitamos. Mas o nosso coração não tem de abater-se no nosso interior, já que contamos com uma palavra como esta, na qual nos podemos apoiar, pois ela garante-nos tudo quanto possamos necessitar. Deus tem uma força omnipotente e Ele pode comunicar-nos essa força, e Ele promete-nos que o fará. Ele será o alimento para as nossas almas e a saúde dos nossos corações; e assim, Ele nos dará fortaleza. Não se pode saber quanto poder Deus porá num homem. Quando a fortaleza divina vem, a debilidade humana já não é mais um obstáculo.

Não nos recordamos de épocas de trabalhos e provas nas quais recebemos uma fortaleza tão especial que nos admirámos de nós próprios? No meio do perigo conservámos a calma, ante a perda de seres queridos estávamos resignados, ante a calúnia possuíamos domínio próprio, e na enfermidade fomos pacientes. O facto é que Deus nos provê duma fortaleza inesperada quando nos sobrevêm provas incomuns. Levantamo-nos por cima das nossas débeis constituições. Os covardes fazem papéis de homens, os insensatos recebem sabedoria, e aos mudos é lhes dado no preciso instante o que têm de falar. A minha própria debilidade faz com que me acovarde, mas a promessa de Deus me torna valente. SENHOR, corrobora-me “segundo a Tua Palavra.”

 Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: