… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

18 de janeiro de 1920 • Peter Deyneka era dinamite



18 de janeiro de 1920 Peter Deyneka era dinamite


 Peter Deyneka pouco depois de sua conversão, em 1920

“Tu, aí, precisas nascer de novo!” Para Peter Deyneka parecia-lhe que o evangelista Paul Radar estava apontando directamente para ele. À medida que a pregação do sermão avançava, ele sentia-se cada vez mais miserável. Ele estava curioso por descobrir quem é que que tinha contado a esse pregador para ele saber tudo sobre os seus pecados.



Nascido na Rússia e criado na Igreja Ortodoxa, Peter nunca tinha ouvido falar do Evangelho. Esse facto não se alterou até que a sua família hipotecou a sua fazenda para o mandarpara a América. Havia tanta coisa que ele não sabia! Ele tomou o seu próprio alimento a bordo do navio, não percebendo que as suas refeições a bordo tinham sido incluídas na tarifa. Os marinheiros brincando com a sua ignorância, prometiam-lhe que se ele lavasse os pratos, eles iriam ver se lhe conseguiam algo doce para ele comer.



Nos Estados Unidos, ele não conseguia encontrar trabalho e estava perto de entrar em pânico. Se a dívida não fosse paga em breve ao prestamista, com juros pesados, os seus pais perderiam a sua fazenda. O rapaz de dezoito anos correu para Chicago, esperando encontrar um emprego. Ele achou um numa serração de madeiras que pagava 6,90 dólares norte-americanos por semana. Nesta cidade de rápido crescimento também encontrou os imigrantes que tinham aderido à Internacional dos Trabalhadores do Mundo. “Não há Deus”, diziam eles. “Nós vamos fazer o mundo melhor por nós mesmos!” Esses ateus convenceram Peter de que eles estavam certos.



Mas num domingo, Peter ouviu cinco russos cantando um hino. A música espicaçou-o e ele ouviu-a de longe. Pela primeira vez na sua vida, ele soube que pela fé em Cristo poderia ter paz com Deus. No domingo seguinte os cantores estavam de volta. Peter agitado, abanava a cabeça. Certamente estess eram os únicos cinco homens no mundo que acreditavam em tal absurdo!



Na Rússia, Peter temia os sacerdotes. Quando ele começou a assistir a um serviço de renascimento de Billy Sunday (porque Billy era um jogador de beisebol) Peter ficou surpreso com o carinho que os Cristãos tinham por ele. Isso fez com que ele pensasse no Cristianismo de forma mais favorável. Um casal de russos que moravam em Chicago convidaram Peter a morar com eles, na esperança de o ensinarem sobre Cristo. Ele estava feliz por comer de novo o seu delicioso borscht (sopa de beterraba com creme azedo) e de falar russo com eles, mas ele escondia-se no seu quarto quando outros Cristãos vinham visitar o casal.



Um desejo de ouvir Inglês eloquente levou-o para a Igreja Memorial Moody (Moody Memorial Church). Peter ficou surpreendido ao encontrar lá centenas de Cristãos de todas as idades. Ele esperava ver apenas algumas mulheres de idade. A música mudou-o. À medida que Paul Radar falava, uma voz dentro de Peter, disse-lhe: “Tu é um pecador perdido.” Mas ele estava demasiado desconfiado para ir à frente, enquanto as equipas oravam com aqueles que buscavam a salvação. Em vez disso, ele comprou um pequenito emblema que dizia “Jesus salva” e usou-o para que ele pudesse imitar a multidão e evitar que fosse posto no local de assistência pelos membros da Igreja.



As suas tácticas evasivas terminaram nesta noite de domingo, 18 de janeiro de 1920. Aos vinte e dois anos de idade Peter Paul ouviu Radar convidar todos os que queriam aceitar a Cristo como seu Salvador pessoal para virem para a frente. Peter sussurrou para um amigo: “Tu devias ir para a frente e ser salvo.” “Eu vou, se tu fores comigo”, respondeu-lhe o amigo. Os dois caminharam para baixo da galeria, mas Peter apressou-se a ir à frente. Obreiros Cristãos abriram as suas Bíblias e explicaram-lhe o caminho para o Céu. Peter chorou e orou. Naquela noite, pôs de lado as suas danças selvagens, o fumar e o praguejar.



O dono de pensão viu que ele estava sorrindo e acusou-o de estar embriagado “Não, eu não estou bêbado. Estou salvo.” Peter não conseguia dormir naquela noite de alegria. Na manhã seguinte ele ainda estava sorrindo. “Peter, ainda estás bêbado”, disse-lhe o dono de pensão. “Não”, disse Peter. “Eu sou uma nova criatura.”



Durante as próximas décadas ele provou isso. Peter N. Deyneka (12de julho de 1897 — 29 de julho de 1987) ficou conhecido como “Peter Dinamite” devido à sua apresentação ousada e poderosa do Evangelho. Ele visitou a Rússia, onde milhares de pessoas foram ganhas para Cristo com as suas mensagens. Ele foi um dos fundadores da Russian Gospel Association (Associação Russa do Evangelho), mais tarde denominada Slavic Gospel Association (Associação Eslava do Evangelho), que levou a Bíblia aos emigrantes do Leste Europeu onde quer que eles tivessem. “Peter Dinamite” também usou as estações de rádio de ondas curtas para transmitir o Evangelho a milhões de pessoas que viviam atrás da Cortina de Ferro.

****

Fontes Utilizadas:
Vários “Sítios” e enciclopédias na Internet e ainda algumas obras em papel.
Respigado daqui e dali.

Carlos António da Rocha

Este texto é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está escrito com o Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicado nem utilizado para fins comerciais; seja utilizado exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: