… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

5 de janeiro



C. H. Spurgeon 
Leituras Matutinas
5 de janeiro
“E viu Deus que era boa a luz; e fez Deus separação entre a luz e as trevas.” (Gn 1:4, ARC, Pt)

A LUZ bem pode ser boa, pois emana deste mandato de bondade: “Haja luz.” Nós que desfrutamos dessa luz devíamos ser mais agradecidos do que somos, e ver mais de Deus na luz e pela luz. Salomão diz que a luz natural é agradável, mas a luz do Evangelho é imensamente mais preciosa, porque nos revela coisas eternas e ministra às nossas naturezas imortais. Quando o Espírito Santo nos dá luz espiritual e abre os nossos olhos para contemplar a glória de Deus na face de Jesus Cristo, vemos o pecado nas suas cores reais e vemo-nos a nós mesmos na nossa verdadeira posição. Vemos o Santíssimo Deus como Ele Se revela a Si mesmo, vemos o plano de misericórdia tal como Ele o apresenta, e o mundo vindouro tal como a Palavra o descreve. A luz espiritual tem muitas cores e brilhos prismáticos, mas quer eles sejam conhecimento, gozo, santidade ou vida eterna, todos eles são divinamente bons. Se a luz recebida é tão boa, o que será a luz em essência, e quão glorioso será o lugar onde Ele Se revela a Si mesmo! Oh Senhor, já que a luz é tão boa, dá-nos mais luz, mais de Ti mesmo, que é a verdadeira luz!

Assim que uma coisa boa vem ao mundo, então uma divisão é necessária. A luz e as trevas não têm comunhão. Deus dividiu-as; não as confundamos, pois. Os filhos da luz não devem ter comunhão com acções, doutrinas, ou decepções das trevas. Os filhos do dia devem ser sóbrios, honestos e intrépidos na obra do Senhor, deixando as obras das trevas para aqueles que habitam nelas para sempre. As nossas Igrejas devem, pela disciplina, dividir a luz das trevas, e cada um particularmente, pela sua distinta separação do mundo, deve fazer o mesmo. Ao julgar, ao obrar, ao ouvir, ao ensinar, devemos sempre discernir entre o precioso e o vil, e manter a grande distinção que Deus fez no primeiro dia do mundo. Oh Senhor Jesus, sê Tua a nossa luz durante todo este dia, porque a Tua luz é a luz dos homens.

Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: