… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

1 de fevereiro



C. H. Spurgeon
Livro de Cheques do Banco da Fé
1 de fevereiro

“Mas para vós que temeis o Meu nome nascerá o Sol da Justiça e salvação trará debaixo das Suas asas.” (Ml 4:2 ARC, Pt)

Cumprida uma vez no primeiro advento do nosso glorioso SENHOR, e ainda há-de ter um pleno cumprimento na Sua segunda vinda, esta graciosa palavra é(-nos) também (dada) para uso diário. Está o leitor na obscuridade? Escurece-se a noite num negrume mais denso? Entretanto não percamos a esperança: o Sol terá ainda de nascer. Quando a noite está (é) mais escura, a aurora está mais próxima.

O Sol que há-de (está para) nascer não é de tipo comum. É o Sol — o Sol de Justiça, e cada um (dos Seus) raios é santidade. Aquele que vem para nos alegrar, vem no caminho da justiça como também no da misericórdia, e não violará nenhuma lei, nem sequer para salvar-nos. Jesus exibe tanto a santidade de Deus como o Seu amor. A nossa libertação, quando vier, será segura, porque é justa.

O nosso único ponto de indagação deverá ser: “Tememos nós o nome do SENHOR? Reverenciamos nós o Deus vivo, e andamos em Seus caminhos?” Então para nós a noite terá de ser (será) curta; e quando a manhã vier, todas as enfermidades e a tristeza da nossa alma terão terminado para sempre. Luz, calor, gozo e claridade de visão virão, e a cura de cada enfermidade e de cada dor seguir-se-á imediatamente.

Tem Cristo ressuscitado (resplandecido sobre nós) em nós? Sentemo-nos debaixo do (ao) Sol [Gozemos o Sol]. Tem Ele ocultado (escondido) o Seu rosto? Esperemos a Sua saída. Ele resplandecerá tão seguramente como o Sol.



 Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: