… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

domingo, 19 de fevereiro de 2017

19 de fevereiro


Aos Pés Do Mestre
(At the Master’s feet),
Compilado por Audie G. Lewis
das obras de
C. H. Spurgeon

19 de fevereiro – APÓSTOLOS DA INCREDULIDADE

“Disseram-lhe, pois, os outros discípulos: Vimos o Senhor. Mas ele disse-lhes: Se eu não vir o sinal dos cravos nas suas mãos, e não meter o dedo no lugar dos cravos, e não meter a minha mão no seu lado, de maneira nenhuma o crerei.” (Jo 20:25, ARC, Pt)

Amado, o teu Senhor ressuscitado quer que sejas feliz. Quando Ele estava aqui na terra disse: «Não andeis cuidadosos», hoje Ele diz-te o mesmo. A Ele não Lhe agradam as angústias do Seu povo. A Ele agrada-Lhe que creias nEle e descanses. Amado, encontra, se podes, uma ocasião em que Jesus inculcasse dúvida ou prometesse que os homens morariam na incerteza. Atualmente os apóstolos da incredulidade estão em toda a parte e imaginam que estão servindo a Deus ao difundir o que eles chamam “dúvidas honestas.” Isto é a morte para todo o gozo! Veneno para toda a paz! O Salvador não fez assim. Ele fá-los-ia tomar medidas extraordinárias para que se desfaçam das suas dúvidas. Para a eliminação das suas dúvidas quanto à ressurreição de nosso Senhor era necessário que eles O tocassem e, portanto, Ele lho ofereceu. Amado, tu que estás aflito e contrariado com pensamentos e que por essa causa não consegues consolo na tua religião devido à tua desconfiança, teu Senhor fará com que te acerques dEle e ponhas à prova o Seu evangelho de qualquer maneira que te satisfaça. Ele não pode suportar a tua dúvida. Ele roga com modo terno, dizendo: “Homem de pouca fé, por que duvidaste?” (Mt 14:31, ARC, Pt). Ele far-te-ia crer na realidade substancial da Sua religião e que tu O tocasses e visses: confia nEle de maneira grande e simples, como um menino confia na sua mãe e não conhece o medo.






A Bíblia, do princípio ao fim, num ano: Lc 9-10

Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: