… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

domingo, 19 de fevereiro de 2017

19 de fevereiro

Oswald Chambers
My Utmost for His Highest
19 de fevereiro TOMANDO A INICIATIVA CONTRA O TRABALHO ENFADONHO

Levanta-te, resplandece…” (Is 60:1, ARC, Pt)

Quando se trata de tomar a iniciativa contra um trabalho enfadonho, nós devemos dar o primeiro passo como se Deus não existisse. É inútil esperar que Ele nos ajude, pois Ele não o vai fazer. Mas, logo que nos levantamos, imediatamente descobrimos que Ele está presente. Sempre que Deus nos dá a Sua inspiração, repentinamente, tomar a iniciativa torna-se uma questão moral, uma questão de obediência. Então, devemos agir para sermos obedientes e não continuarmos deitados sem fazer nada. Se nos levantarmos e resplandecemos, o trabalho enfadonho será divinamente transformado.

O trabalho enfadonho é uma das melhores provas para determinar a autenticidade do nosso caráter. É trabalho que não se aproxima minimamente do que nós consideramos como o trabalho ideal. É uma tarefa totalmente difícil, subalterna, aborrecida e suja. E quando nós passamos por ela, imediatamente se prova a nossa espiritualidade porque vamos saber se somos ou não espiritualmente autênticos (Leia Jo 13). Neste capítulo vemos o Deus Encarnado realizando a maior amostra de trabalho servil: a lavagem dos pés de uns pescadores. “Ora se eu, Senhor e Mestre, vos lavei os pés, vós deveis, também, lavar os pés uns aos outros” (Jo 13:14,, ARC, Pt). A inspiração de Deus é necessária se o trabalho enfadonho e servil tem de resplandecer com a luz de Deus. Em alguns casos, a forma como uma pessoa faz uma tarefa torna esse trabalho santificado e santo para sempre. Pode ser uma tarefa muito vulgar, mas depois que a vemos feita por essa pessoa, ela torna-se diferente. Quando o Senhor faz alguma coisa por meio de nós, Ele sempre a transforma. O nosso Senhor assumiu a forma da nossa carne humana e transformou-a, e agora o corpo de cada crente tornou-se no “templo do Espírito Santo.”


Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: