… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

22 de fevereiro



C. H. Spurgeon
Livro de Cheques do Banco da Fé
22 de fevereiro

“Disse mais David: O SENHOR me livrou das garras do leão, e das do urso; ele me livrará da mão deste filisteu.” (1Sm 17:37, ARC, Pt)

 

Este versículo da Bíblia não é uma promessa, se considerássemos somente as palavras, mas é-o, verdadeiramente, quanto ao seu sentido; porquanto David falou uma palavra que o SENHOR endossou, fazendo-a verdadeira. Ele argumentava, partindo de passadas libertações, de que receberia ajuda em algum novo perigo. Em Jesus, todas as promessas são “Sim” e “Ámen” para a glória de Deus, por meio de nós, e assim os procedimentos anteriores do SENHOR para com o Seu povo crente, serão repetidos.



Procedamos, então, a recordar as anteriores misericórdias do SENHOR. Nós não poderíamos ter esperado ser libertados outrora pela nossa própria força; mas o SENHOR nos libertou. Não nos salvará Ele, de novo? Estamos certos de que Ele o fará. Assim como David correu para enfrentar-se com o seu inimigo, assim o faremos nós. O SENHOR tem estado connosco, está connosco, e Ele prometeu: “Não te desampararei, nem te deixarei.” Por que trememos? O passado foi um sonho? Pensai no urso e no leão, já mortos. Quem é este Filisteu? É certo, que não se trata do mesmo Filisteu, e nem sequer é urso, nem tão-pouco leão; porém Deus, sim, é o mesmo, e a Sua honra está tão envolvida num caso como no outro. Ele não nos salvou das bestas da floresta para permitir que um gigante nos mate. Tenhamos muita coragem.



 Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: