… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

24 de fevereiro



C. H. Spurgeon
Leituras Matutinas

24 de fevereiro

“Farei descer a chuva a seu tempo; chuvas de bênção serão.” (Ez 34:26, ARC, Pt)


AQUI há uma misericórdia soberana: “Farei descer a chuva a seu tempo.” Não é esta uma misericórdia soberana e divina? Pois, quem pode dizer “Farei descer a chuva” excepto Deus? Só há uma voz que pode falar às nuvens e ordenar-lhes que dêem chuva. Quem envia a chuva sobre a Terra? Quem a espalha sobre a erva verde? Não sou Eu, diz o Senhor? De modo que a graça é dom de Deus, e, portanto, não tem de ser criada pelo homem. Ela é também uma graça necessária. O que faria a terra sem a chuva? Podes arar a terra, deitar a tua semente à terra, mas o que podes fazer sem a chuva? Da mesma maneira nos é absolutamente necessária a bênção divina. Até que Deus te não conceda a chuva abundante e te envie a salvação, trabalhas em vão. Além disso, essa graça é abundante. “Farei descer a chuva.” Não diz: “Farei descer uns pingos”, mas “chuvas.” Assim é com graça. Se Deus dá uma bênção, Ele dá-a normalmente em tal medida que não há espaço suficiente para a receber. Graça abundante! Ah! Nós necessitamos de graça abundante para nos conservarmos humildes, para sermos piedosos, para sermos santos; temos necessidade de graça abundante para sermos zelosos, para nos preservar do mal no curso desta vida e, por fim, para sermos levados ao Céu. Não podemos estar sem a saturação das chuvas da graça. Esta graça é também uma graça oportuna. “Farei descer a chuva a seu tempo. Que tempo é o desta manhã para ti? É tempo de seca? Então este é o tempo para as chuvas. É tempo de grande aflição e de nuvens negras? Então é tempo de chuvas. “A tua força será como os teus dias.” Há, por fim, aqui uma bênção variada. “Dar-te-ei chuvas de bênção.” A palavra (chuva) está em plural. Deus enviará toda a espécie de bênçãos. Todas as bênçãos de Deus andam juntas como os elos de uma cadeia de ouro. Se Ele dá a graça que converte, Ele também dará a graça que consola. Ele enviará “chuvas de bênçãos.” Olha hoje para cima, oh planta murcha, e abre as tuas folhas e as tuas flores para receberes uma chuva celestial.


Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: