… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

3 de fevereiro



C. H. Spurgeon

Livro de Cheques do Banco da Fé
3 de fevereiro

“Aquele que nem mesmo a seu próprio Filho poupou, antes o entregou por todos nós, como nos não dará também com ele todas as coisas?” (Rm 8:32 ARC, Pt)

Se, na sua forma, esta não é uma promessa, mas é-o, de facto. Na verdade, é mais do que uma promessa, é um conglomerado de promessas. É um montão de rubis e de esmeraldas e de diamantes com uma pepita de ouro por seu engaste. É uma pergunta que nunca pode ser respondida negativamente, porquanto (em resultado do que, em consequência do que) nos causa ansiedade de coração. O que pode o SENHOR negar-nos, depois de nos ter dado Jesus? Se necessitássemos de todas as coisas do Céu e da Terra, Ele no-las daria: porquanto se tivesse havido algum limite em qualquer parte, Ele teria retido o Seu próprio Filho.



De que necessito eu hoje? Só tenho de pedi-lo. Posso procurá-lo com seriedade (encarecidamente), mas não como se tivesse de fazer uso da força de coação para obter por meio da violência um dom (cedido) de má vontade da mão do SENHOR; porquanto Ele dará (dá-o) gratuitamente. Pela Sua própria vontade, Ele deu-nos o Seu próprio Filho. Certamente ninguém Lhe teria proposto a Ele que nos desse tal dom. Ninguém se teria aventurado a pedir-Lho. Teria sido demasiado presunçoso. Ele deu livremente o Seu Unigénito; e, oh minha alma, não podes confiar no teu Pai celestial para que te dê qualquer coisa, para que te dê tudo? A tua pobre oração não teria força com o Omnipotente, se a força fosse requerida; porém o Seu amor, como um manancial, brota espontaneamente e transborda para o suprimento de todas as tuas necessidades.




 Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: