… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

6 de fevereiro



C. H. Spurgeon

Leituras Matutinas

6 de fevereiro
“Orando em todo tempo.” (Ef 6:18, ARC, Pt)

Que multidão de orações elevamos desde o primeiro momento em que aprendemos a orar! A nossa primeira oração foi feita a favor de nós mesmos; pedimos a Deus que tivesse misericórdia de nós e removesse completamente os nossos pecados. Ele ouviu-nos. Mas, quando Ele removeu completamente os nossos pecados, como a uma nuvem, em seguida fizemos mais orações em favor de nós próprios. Tivemos de orar pela graça santificante, pela graça constringente e pela graça restringente. Fomos guiados a suplicar por uma nova certeza de fé, a implorar a consoladora aplicação da promessa, a rogar por salvamento na hora da tentação, a pedir ajuda para o cumprimento do dever e socorro para o dia da provação. Fomos compelidos a ir a Deus para bem das nossas almas, como mendigos constantes, pedindo-Lhe tudo. Dá testemunho, filho de Deus, de que tu jamais tens sido capaz de obter qualquer coisa para a tua alma em qualquer outra parte. Todo o pão que a tua alma tem comido, veio do céu, e toda a água que tens bebido, tem fluído da rocha viva, que é Cristo Jesus, o Senhor. A tua alma nunca se enriqueceu por si mesma; ela foi sempre uma pensionista diária da bondade de Deus; e por isso, as tuas orações têm subido ao Céu por causa duma série de mercês espirituais quase infinitas. As tuas necessidades foram inumeráveis, e por consequência, as provisões têm sido imensamente grandes, e as tuas orações têm sido tão variadas como as mercês recebidas têm sido incontáveis. Nesse caso, não tens razão para dizeres “Amo ao SENHOR, porque Ele ouviu a minha voz e a minha súplica”? Porquanto, assim como as tuas orações têm sido muitas, assim também, têm sido muitas as respostas de Deus a elas. Ele tem-te ouvido no dia da angústia; tem-te fortalecido e ajudou-te, mesmo quando tu O desonraste por vacilares e duvidares junto do propiciatório (trono de Deus). Recorda isto, e que isto encha o teu coração com gratidão a Deus, que tem ouvido com misericórdia as tuas pobres e fracas orações. “Bendize, ó minha alma, ao SENHOR, e não te esqueças de nenhum de Seus benefícios.”



Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: