… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

quarta-feira, 15 de março de 2017

15 de março

Aos Pés Do Mestre
(At the Master’s feet),
Compilado por Audie G. Lewis
das obras de
C. H. Spurgeon
15 de março A VISÃO DIVINA

“E eis que lhe trouxeram um paralítico, deitado numa cama. E Jesus, vendo a fé deles, disse ao paralítico: Filho, tem bom ânimo, perdoados te são os teus pecados.” (Mt 9:2, ARC, Pt)

Notarás que o nosso Senhor não esperou que se dissesse palavra alguma, simplesmente Ele olhou e viu a fé deles. Mateus escreve: “E Jesus, vendo a fé deles.” Quem pode ver a fé? É algo cujos efeitos se podem ver, os seus sinais e indícios podem-se descobrir, e, neste caso, eles eram tão eminentes porque fazer um buraco no teto e baixar o homem para pô-lo diante de Jesus de uma maneira tão estranha, eram evidências da sua fé, como Jesus o curaria. Não obstante, os olhos de Cristo não só viram as provas da fé deles, mas a própria fé. Ali estavam parados os quatro homens, falando com os seus olhos e dizendo: “Mestre, olha o que temos feito! Estamos convencidos de que havemos atuado corretamente e de que tu o curarás.” Ali estava o homem, deitado na sua cama, olhando para cima e interrogando-se o que faria o Senhor, mas evidentemente estava animado pela crença de que agora estava numa posição de esperança em que com toda probabilidade se converteria num homem favorecido além de todo o mundo. Cristo não só viu os olhares deste homem e dos seus transportadores, também viu a fé deles.

Ai, amigos, não podemos ver a fé de uns dos outros; mas podemos ver o fruto dela. Às vezes pensamos que podemos discernir a falta de fé, mas para ver a fé em si mesma é necessário uma visão divina; isto necessita do olhar do olho do Filho do Homem. Jesus viu a fé deles e agora esse mesmo olho está olhando para todos neste público e Ele vê a tua fé. Tens alguma, para que Ele a possa ver?


A Bíblia, do princípio ao fim, num ano: Nm 1-4

 Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: