… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

quinta-feira, 16 de março de 2017

16 de março



C. H. Spurgeon 
Leituras Vespertinas
16 de março

“Também da soberba guarda o teu servo, para que se não assenhorie de mim. “ (Sl 19:13, ARC, Pt)

TAL era a oração do “homem segundo o coração de Deus.” Necessitou o santo David de orar assim? Quão necessária então deve ser tal oração para nós, bebés na graça! É como se dissesse: “Guarda-me, quando não cairei de cabeça no precipício do pecado.” A nossa natureza pecaminosa, semelhante a um cavalo indómito, está propensa a fugir. Que a graça de Deus lhe ponha a brida, e a segure, para que ela não se precipite no mal. O que poderíamos fazer, até os melhores de nós, se não fosse pelos freios que o Senhor põe em nós na Sua providência e na Sua graça! A oração do salmista é dirigida contra a pior forma de pecado: que é cometida com deliberação e intenção. Até o mais santo precisa de ser “guardado” das transgressões mais vis. É uma coisa solene ver o apóstolo Paulo exortar os santos contra os mais repugnantes pecados, “Mortificai, pois, os vossos membros, que estão sobre a terra: a prostituição, a impureza, a afeição desordenada, a vil concupiscência, e a avareza, que é idolatria.” O quê! Precisam os santos de ser exortados contra pecados como estes? Sim, necessitam. Os mantos mais brancos serão sujos com as manchas mais negras se a sua pureza não é preservada pela graça divina. Cristão experiente, não te glorifiques na tua experiência; tropeçarás se apartares o olhar dAquele que é poderosos para te guardar de caíres. Vós, cujo amor é fervoroso, cuja fé é constante e cujas esperanças são brilhantes, não digais: “Nunca pecaremos”; mas antes gritai: “E não nos induzas à tentação.” Há suficiente material facilmente inflamável no coração dos melhores homens para acender um fogo que consuma pelo fogo até ao mais baixo inferno, se Deus não apagar as faíscas à medida que elas caem. Quem teria imaginado que o justo Loth poderia ser achado bêbado e cometendo impurezas? “Disse Hazael: Pois, que é teu servo, que não é mais do que um cão, para fazer tão grande coisa?” E nós estamos muito propensos a usar a mesma pergunta farisaica. Que a sabedoria infinita nos cure da loucura da confiança em nós mesmos.

Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: