… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

sexta-feira, 17 de março de 2017

17 de março

Aos Pés Do Mestre
(At the Master’s feet),
Compilado por Audie G. Lewis
das obras de
C. H. Spurgeon
17 de março O TOQUE QUE CURA

“E Jesus lhe disse: Eu irei e lhe darei saúde.” (Mt 8:7, ARC, Pt)

Durante três anos o nosso Senhor andou pelos hospitais: passava o dia inteiro numa enfermaria, numa ocasião ao Seu redor puseram os doentes nas ruas e a cada momento o mal físico cruzava o Seu caminho de uma maneira ou outra. Ele estendia a Sua mão ou falava a palavra e curava todo tipo de doenças, porque isso fazia parte do trabalho da Sua vida. “Eu irei e lhe darei saúde” disse ele, porque era um médico que constantemente estava exercendo e fazia visitas em seguida para ver o paciente. “Ele ocupava-Se em fazer o bem” e tudo isto fazia saber ao Seu povo que a Sua intenção não era abençoar somente uma parte do homem mas toda a nossa natureza, levando sobre Si não só os nossos pecados mas também as nossas enfermidades. Jesus quer abençoar tanto o corpo como a alma, e embora no tempo presente Ele tenha deixado o nosso corpo em grande parte sob o controle da enfermidade, porque ainda “o corpo, na verdade, está morto, por causa do pecado, mas o espírito vive, por causa da justiça.” (Rm 8:10, ARC, Pt), não obstante, cada membro restaurado, cada olho aberto e cada ferida sarada é um sinal de que Jesus Se interessa pela nossa carne e pelos nossos ossos e quer que o corpo compartilhe os benefícios da Sua morte mediante uma gloriosa ressurreição.



A genialidade do cristianismo é sentir pena dos pecadores e dos que sofrem. Que a igreja seja curadora como o Seu Senhor: ao menos se não pode desprender saúde com a orla do seu manto nem “dizer a palavra” para que a enfermidade fuja, que esteja entre os mais dispostos a ajudar em tudo o que possa a mitigar a dor ou socorrer na pobreza.





A Bíblia, do princípio ao fim, num ano: Nm 9-12

 Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: