… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

domingo, 19 de março de 2017

19 de março



Oswald Chambers
My Utmost for His Highest
19 de março A VIDA DE FÉ DE ABRAÃO
“E saiu, sem saber para onde ia.” (Hb 11:8, ARC, Pt)

No Antigo Testamento, a relação de uma pessoa com Deus era visto pelo grau de separação na vida dessa pessoa. Esta separação é mostrada na vida de Abraão pela sua separação do seu país e da sua parentela. Hoje, quando pensamos em separação, não significa sermos separados literalmente dos membros da nossa família que não têm uma relação pessoal com Deus, mas sermos separados mental e moralmente dos seus pontos de vista. É a isto que Jesus Cristo Se estava referindo em Lc 14:26.



Viver uma vida de fé significa não saber nunca para onde estás sendo levado. Mas isso significa amar e conhecer a Aquele que te guia. É, literalmente, uma vida de fé, não de entendimento e da razão— uma vida de conhecer Aquele, que nos chama para “partir”. A fé está arraigada no conhecimento de uma Pessoa, e uma das maiores armadilhas em que caímos é a crença de que, se temos fé, Deus certamente irá levar-nos a ter êxito no mundo.



A jornada final na vida de fé é a aquisição de caráter, e nós deparamo-nos com muitas mudanças no processo. Quando oramos, sentimos que a presença de Deus nos envolve e mudamos momentaneamente. Temos a tendência de regressarmos aos dias ordinários e aos caminhos de sempre e a glória desaparece. A vida de fé não consiste numa sucessão ininterrupta de experiências gloriosas, como se nos elevássemos com asas de águia. É uma vida de perseverança dia após dia, de caminhar e de não se cansar (ver Is 40:31). Nem sequer é um assunto de santificação, mas de algo que vai muitíssimo mais longe. É uma fé que foi provada e suportou a prova. Abraão não é um modelo de santificação, mas da vida de fé—uma fé provada e verdadeira, edificada sobre o Deus verdadeiro. “Abraão creu em Deus ...” (Rm 4:3).

Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: