… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

quinta-feira, 2 de março de 2017

2 de março



William MacDonald 
Um dia de cada vez
2 de março

“O fruto do Espírito é amor...” (Gl 5:22, ARC, Pt)

A frase: “o fruto do Espírito” ensina-nos que as virtudes que em seguida se enumeram somente o Espírito Santo as pode produzir. Um não convertido é incapaz de manifestar qualquer destas graças e até os crentes verdadeiros são incapazes de as gerar pela sua própria força. Quando falarmos destas graças devemos recordar sempre que são de origem sobrenatural e que pertencem a outro mundo.


O amor de que se fala aqui não é o ‘eros’ da paixão, ou o ‘filia’ da amizade e do afeto, mas o amor ‘ágape’, que é a classe de amor que Deus nos mostrou e que deseja que manifestemos aos demais.



Permitam-me ilustrá-lo! O Dr. T. E. McCully foi o pai de Ed McCully, um dos cinco jovens missionários martirizados pelos índios aucas no Equador. Uma noite, quando o Dr. McCully e eu estávamos de joelhos em Oak Park, Illinois, veio ao seu pensamento o Equador e o Rio Curaray que guardava o segredo do paradeiro do corpo do Ed e ele orou assim: “Senhor, permite-me viver para ver salvos àqueles que mataram os nossos filhos e poder abraçá-los e dizer-lhes que os amo porque eles amam ao meu Cristo.” Ao terminar e ao pormo-nos de pé, vi as lágrimas que rodavam pelas suas faces.



Deus respondeu a essa oração de amor. Mais tarde, alguns daqueles indígenas aucas receberam a Jesus Cristo como seu Senhor e Salvador. O Dr. McCully foi ao Equador, conheceu os homens que assassinaram o seu filho, abraçou-os e disse-lhes que os amava porque eles amavam o seu Cristo.



Este é o amor ‘ágape’. Reconhecemo-lo porque é imparcial e busca o bem supremo dos demais, atende ao simples e ao importante, aos inimigos assim como aos amigos. É incondicional, nunca pede nada em troca, é sacrificado, sem reparar nunca no custo. É desinteressado, preocupa-se mais com as necessidades dos demais do que das suas próprias. É puro e está livre de todo rasto de impaciência, inveja, orgulho, vingança ou rancor.



O amor é a virtude maior da vida cristã. Sem ela, os nossos esforços mais nobres são infrutíferos.



Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: