… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

quarta-feira, 22 de março de 2017

22 de março



C. H. Spurgeon
Leituras Matutinas
22 de março


“E, indo um pouco mais para diante, prostrou-se sobre o seu rosto, orando. (Mt 26:39, ARC, Pt)

HÁ VÁRIAS características instrutivas na oração do nosso Salvador na Sua hora de provação. Era uma oração a sós. Jesus até Se afastou dos Seus três discípulos preferidos. Crente, permanece muito a sós em oração, especialmente em tempo de provação. A oração familiar, a oração coletiva, a oração na Igreja não serão suficientes, estas são muito preciosas, mas a melhor especiaria moída arderá no teu incensário das tuas devoções privadas, onde não ouves nada, mas és todo ouvidos a Deus.



Era uma oração humilde. Lucas diz que Jesus se ajoelhou, mas outro Evangelista (Mateus) diz que Ele “prostrou-Se sobre o Seu rosto.” Onde, então, deve estar o TEU lugar, servo humilde do grande Senhor? Que pó e cinza cubram a tua cabeça! A humildade dá-nos um bom ponto de apoio na oração. Não há esperança de prevalecer com Deus a menos que nos humilhemos, para que Ele nos possa exaltar, no devido tempo.



Era uma oração filial. “Aba, Pai.” Apresentar a tua adoção no dia da provação será para ti uma fortaleza. Como indivíduo, não tens nenhuns direitos, perdeste-os pela tua traição; mas nada pode fazer perder o direito que um filho tem à proteção do pai. Não temas dizer: “Meu Pai, ouve o meu clamor!”



Observemos que esta era também uma oração perseverante. Ele orou três vezes. Não cesses de orar até que prevaleças. Sê como a viúva importuna, cujas contínuas petições alcançaram o que não obteve na sua primeira súplica. Persiste na oração, velando nela com ação de graças.



Finalmente, era uma oração de resignação. “Todavia, não seja como Eu quero, mas como Tu queres.” Cede, e Deus dará. Deixa que seja como Deus quer, e Deus determinará pelo melhor. Contenta-te tendo deixado a tua prece nas Suas mãos, que Ele sabe quando dar, e como dar, e o que dar, e o que reter. Assim, suplicante, com sinceridade e importunamente, ainda mais com humildade e resignação, tu, com toda a certeza, prevalecerás.


Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: