… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

sexta-feira, 31 de março de 2017

31 de março


William MacDonald
Um dia de cada vez
31 de março

“Não neófito, para que, ensoberbecendo-se, não caia na condenação do diabo.” (1Tm 3:6, ARC, Pt)

Ao enumerar os requisitos[1] de um ancião, o apóstolo Paulo adverte contra o facto de que um jovem na fé assuma este trabalho. Pastorear ovelhas é um trabalho delicado que demanda[2] sabedoria e juízo são, que vêm somente da maturidade espiritual e da experiência piedosa. Contudo, com quanta frequência se viola este princípio! Um jovem empresário, político ou profissional bem-sucedido integra-se numa igreja local. Pensamos que se não o envolvermos imediatamente, poder-se-ia ir para outra parte, assim, sem perda de tempo colocamo-lo num lugar de liderança. Faríamos bem em guiar-nos pela máxima de Paulo: “Primeiro sejam submetidos a prova.”

Uma violação ainda mais comum deste princípio espiritual vê-se no modo como as estrelas que “se convertem” à fé são anunciadas e lançadas no firmamento evangélico. Tomemos como exemplo certo herói do futebol que acaba de professar crer no Senhor Jesus. Algum promotor religioso localiza-o, e, em seguida, organiza uma campanha de publicidade, dando a conhecer a notícia por toda parte, desde Dan a Berseba. Assim que se diz que uma atriz de Hollywood ou um cantor ‘nasceu de novo’, o seu nome aparece nos cabeçalhos dos periódicos. Acossam-na, perguntando-lhe a sua opinião a respeito de todos os temas, desde a pena de morte até ao sexo pré-matrimonial, como se a conversão a tivesse dotado instantaneamente de sabedoria em todos os temas. Ou pode tratar-se de um ex-criminoso que chegou a conhecer o Senhor. Enchemo-nos de preocupação por ele quando vemos como estes agentes ambiciosos o exploram e o utilizam como fonte de ganho.

Diz o Dr. Paul Vão Gorder: “Nunca estive a favor de levantar um pecador dos seus joelhos e destacá-lo orgulhosamente ante a multidão. Tem-se feito um dano irreparável à causa de Cristo ao fazer com que figuras conotadas do mundo do entretenimento, dos desportos e da política desfilem através da plataforma evangélica sem deixar passar o tempo necessário para que a semente da Palavra de Deus penetre e realmente deite raiz.”

O ego religioso de alguns chamados cristãos estimula-se quando um drogado, ou algum político é apresentado como o mais recém convertido da fé. Possivelmente sofrem de insegurança ou inferioridade, e pensam que se alguma pessoa célebre crê, então isso dá mais razão ao Evangelho.

Mas estes supostos heróis e heroínas explorados tão frequentemente são um alvo fácil para o Diabo. Desprevenidos dos seus erros subtis, pecam e voltam atrás, e assim se desacredita enormemente o testemunho do Senhor.

Damos graças a Deus por todo aquele que é autenticamente salvo, seja famoso ou desconhecido.

Mas, equivocamo-nos se pensamos que podemos fazer com que a causa de Cristo avance promovendo ao púlpito ou à câmara da televisão os neófitos.


[1] s. m. condição necessária para a consecução de um certo fim; exigência legal e necessária; pl. dotes; predicados; adj. requerido.(Do lat. requisïtu-, «id.», part. pass. de requirâre, «requerer»)


[2] reclama; requere.

Notas e Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: