… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

sexta-feira, 17 de março de 2017

17 de março



William MacDonald
Um dia de cada vez
17 de março

Não sejas como o cavalo, nem como a mula.” (Sl 32:9, ARC, Pt)

Parece-me que o cavalo e a mula descrevem duas más atitudes nas quais podemos cair quando procuramos a direção do Senhor. O cavalo empurra para frente; a mula atrasa-se. O cavalo tende a ser impaciente, fogoso e impetuoso. A mula, por sua vez, é obstinada, indisciplinada e preguiçosa. O salmista diz que nenhum dos dois tem entendimento. A ambos temos de sujeitá-los com freio e brida, porque doutra forma, não os podemos dirigir.




Deus deseja que sejamos sensíveis à Sua direção, não nos lançando para a frente na nossa própria sabedoria nem vacilando quando nos mostra a Sua vontade.



Há aqui algumas regras gerais tiradas da experiência que nos poderiam ser úteis a esse respeito:

Pede ao Senhor que confirme a Sua direção por boca de duas ou três testemunhas. Jesus Cristo disse: “Para que pela boca de duas ou três testemunhas toda a palavra seja confirmada.” (Mt 18:16b, ARC, Pt) Podemos incluir entre estas testemunhas algum texto da Escritura, o conselho de outros cristãos e também a maneira maravilhosa como Deus faz com que as circunstâncias coincidam. Se podes ter a direção da Sua vontade por duas ou três indicações distintas, não terás qualquer dúvida ou receio.



Se buscas a direção de Deus e esta não aparece, isto significa que a vontade de Deus para ti é que permaneças onde estás.



Espera até que a Sua direção seja tão clara que rechaçá-la seria uma clara desobediência. Aos filhos de Israel foi-lhes proibido que se movessem até que a coluna da nuvem e de fogo se movesse. Se tivessem atuado por sua conta, não teriam desculpa. A responsabilidade deles era mover-se quando a nuvem se elevasse, nem antes, nem depois.



Por último, pede a Deus que a paz de Cristo seja o árbitro no teu coração. Esta é uma tradução livre de Colossenses 3:15. Significa que quando Deus nos está guiando realmente, Ele influi de tal maneira no nosso intelecto e nas nossas emoções que nos enche de paz quando estamos no caminho correto e de inquietação quando andamos em qualquer outro caminho.



Se estivermos ansiosos por conhecer a vontade Divina e dispostos a obedecer-lhe, não teremos necessidade do freio nem da brida da disciplina de Deus.




Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: