… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

segunda-feira, 10 de abril de 2017

10 de abril



William MacDonald
Um dia de cada vez
10 de abril

“E não tendes necessidade de que alguém vos ensine.” (1Jo 2:27, ARC, Pt)

À primeira vista este versículo delineia alguns problemas. Se não necessitamos que ninguém nos ensine, porque é que o Senhor ressuscitado estabeleceu doutores [i] para edificar os santos para a obra do ministério? (Ef 4:11-12).

Para poder entender o que João está dizendo, será de grande ajuda conhecer o background [ii] da sua carta. Quando a escreveu, a igreja estava sendo acossada por falsos doutores conhecidos como gnósticos. Estes hereges tinham professado ser em alguma ocasião crentes sinceros no Senhor Jesus e formavam parte das assembleias locais. Mas, com o passar do tempo começaram a promover as suas falsas ideias acerca da humanidade e deidade de Cristo.

Diziam ter um conhecimento superior, daqui lhes veio o nome de gnósticos, da palavra grega gnosis: “conhecer”. Provavelmente, a mensagem que transmitiam aos cristãos soava assim: “O que tens é bom, mas nós temos uma verdade extra. Podemos levar-te além dos simples ensinos e iniciar-te em novos e mais profundos mistérios. Se desejas chegar à maturidade e à plena realização, necessitas do nosso ensino.”

Mas, João adverte os cristãos que tudo isto é um erro. Os cristãos não necessitam de que nenhum destes impostores os ensinem. Têm o Espírito Santo. Têm a Palavra de Verdade e têm doutores ordenados por Deus. O Espírito Santo capacita-os para discernir entre a verdade e o erro. A fé cristã foi uma vez dada aos santos (Jd 3) e algo que pretenda acrescentar-se-lhe é fraudulento. Os doutores cristãos são necessários para explicar e aplicar as Escrituras, mas nunca devem ir além do que está escrito.

João seria o último a negar a necessidade dos doutores na igreja porque ele mesmo era um doutor por excelência. Mas era também o primeiro a insistir em que o Espírito Santo é a autoridade mais alta, e que guia o Seu povo a toda a verdade através das páginas da Santa Escritura. A veracidade de todo o ensino [iii] deve ser provada por meio da Bíblia. Se algum pretendido ensino é um acréscimo e reclama igual autoridade que a Bíblia, ou não coincide com a Bíblia, deve ser rechaçado [iv].


[i] Aquele que ensina.

[ii] fundo (dum quadro); segundo plano; o que está por trás de qualquer coisa; ambiente básico; música de fundo (em filme, rádio, etc.). Aquilo que está o parece estar mais além do fundo visível de uma coisa ou por detrás da aparência ou intenção de uma acção humana.

[iii] Doutrina, ensinança, ensinamento.


[iv] Fazer retroceder, opondo resistência; repelir; rebater; desbaratar. expulsar; repelir, despedir, afugentar; devolver; impugnar.

Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: