… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

terça-feira, 11 de abril de 2017

11 de abril



C. H. Spurgeon 
Leituras Vespertinas
11 de abril

“Olha para a minha aflição e para a minha dor e perdoa todos os meus pecados.” (Sl 25:18, ARC, Pt)

É um bem para nós quando as orações a favor das nossas aflições estão ligadas com súplicas relativas aos nossos pecados; quando, estando debaixo da mão de Deus, não somos completamente absorvidos pelas nossas aflições mas recordamos as nossas ofensas contra Deus. É um bem não só levar aflições mas também pecados ao mesmo lugar. David levou a sua aflição a Deus e foi a Deus que David confessou o seu pecado. Observemos, então, que nós devemos levar as nossas aflições a Deus. Até os teus pequenos pesares podem ser colocados sobre Deus, pois Ele conta os cabelos da tua cabeça; mas também os teus grandes pesares tu Lhos podes confiar a Ele, pois Ele contém o oceano na concha da palma da Sua mão. Vai para Ele, qualquer que possa ser a tua dificuldade presente, e achá-Lo-ás capaz e desejoso de te socorrer. Mas nós também devemos levar os nossos pecados a Deus. Devemos levá-los à cruz para que o sangue caia sobre eles e tire a sua culpa e destrua o seu poder corruptor.


A lição notável do versículo é esta: que nós devemos dirigir-nos para o Senhor com pesares e com pecados, em espírito correto. Nota que tudo o que David pede a respeito da sua aflição é “Olha para a minha aflição e para a minha dor.” Mas a outra petição é muito mais expressiva, definida, categórica e clara: “Perdoa todos os meus pecados.” Muitos pacientes expressam-se assim: “Tira a minha aflição e a minha dor e olha para os meus pecados.” Mas David não se expressa assim, mas ele diz: “Senhor, quanto à minha aflição e à minha dor eu não darei ordens à Tua sabedoria. Senhor, olha para elas; entrego-as a Ti. Seria motivo de gozo para mim ver a minha dor eliminada, mas Tu faz como queiras. Porém, quanto aos meus pecados, preciso os ter perdoados. Não posso aguentar um momento mais sob a sua maldição.” Um Cristão considera mais suportável a aflição do que o pecado. Ele pode tolerar que as suas aflições continuem, mas não pode suportar a carga das suas transgressões.


Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: