… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

quinta-feira, 13 de abril de 2017

13 de abril



C. H. Spurgeon
Leituras Vespertinas

13 de abril

“E porá a sua mão sobre a cabeça do holocausto, para que seja aceito por ele, para a sua expiação.” (Lv 1:4, ARC, Pt)

A VERDADE de que o nosso Senhor foi feito “pecado por nós” é ensinada aqui por meio da muito significativa transferência do pecado para o boi, que era feita pelos anciãos do povo. O pôr a mão não era um simples toque de contato, porque em alguns outras passagens das Escrituras a palavra original tem o significado de apoiar-se pesadamente, como na expressão “Sobre mim pesa a tua cólera” (Salmo 88:7). De facto, esta é a verdadeira essência e natureza da fé: que não só nos põe em contato com o grande Substituto, mas também nos ensina a apoiar-nos sobre Ele com toda a carga do nosso pecado. Jeová reuniu sobre a cabeça do Substituto todas as ofensas do povo de Seu pacto, mas cada um dos escolhidos é levado pessoalmente a ratificar esse solene pacto quando pela graça, ele é capacitado, por meio da fé, a pôr a mão sobre a cabeça “do Cordeiro que foi morto desde a fundação do mundo.” Crente, recordas aquele dia arrebatador, quando tu experimentaste o perdão por meio de Jesus, que tira o pecado? Não podes fazer uma alegre confissão e unir-te ao escritor dizendo: “Minha alma recorda com prazer o dia da sua libertação. Carregado de pecado e cheio de temores, eu vi o meu Salvador como meu Substituto, e pus a minha mão sobre Ele? Oh quão timidamente fiz isto ao princípio! Mas a coragem cresceu e a confiança se foi afirmando até que apoiei a minha alma inteiramente nEle. E agora o meu gozo incessante é saber que os meus pecados não me são mais imputados, mas carregados sobre Ele. E, à semelhança das dívidas do viajante ferido que caiu nas mãos dos ladrões, Jesus, como o bom Samaritano, há dito de toda a minha futura pecaminosidade: “Põe-na na minha conta.” Que descoberta excelente! Eterno refrigério de um coração agradecido!



“Meus inúmeros pecados foram transferidos p’ra Ele,

Nunca mais virão a ser encontrados,

Perdidos para sempre nas correntes do Seu sangue,

Onde tudo o que é crime foi afogado para sempre.”

Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: