… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

quarta-feira, 19 de abril de 2017

19 de abril

William MacDonald
Um dia de cada vez
19 de abril
“Estas coisas vos escrevi a vós, os que credes no nome do Filho de Deus, para que saibais que tendes a vida eterna, e para que creiais no nome do Filho de Deus.” (1Jo 5:13, ARC, Pt)

Estaremos eternamente agradecidos a Deus por este versículo porque nos ensina que a segurança da salvação nos chega em primeiro lugar pela Palavra de Deus e não pelos sentimentos. A Bíblia foi escrita, entre outras razões, para que aqueles que creem no Nome do Filho de Deus possam saber que têm vida eterna.



Podemos estar agradecidos ao saber que esta segurança não depende dos sentimentos, já que estes flutuam de um dia para o outro. “Deus não nos pede que digamos: ‘obrigado Deus porque me sinto muito bem’, mas que fixemos os olhos em Jesus e na Sua Palavra.” Uma vez alguém perguntou a Martinho Lutero: “Sentes que os teus pecados foram perdoados?”, e ele respondeu: “Não, mas estou muito seguro disto, porque há um Deus no Céu. Porque os sentimentos vão e vêm e são enganosos. A minha garantia é a Palavra de Deus. Nada é mais digno de crer-se.” C. I. Scofield recorda-nos que: “A justificação tem lugar na mente de Deus e não no sistema nervoso do crente.” H. A. Ironside acostumava dizer: “Não sei se sou salvo porque me sinto feliz, mas sinto-me feliz porque sei que sou salvo.” Sabia que era salvo pela Palavra de Deus.



Quando vemos que o Espírito mesmo dá testemunho ao nosso espírito de que somos filhos de Deus, devemos recordar que o Espírito dá-nos testemunho principalmente através das Escrituras (Rm 8:16). Por exemplo, em João 6:47 lemos: “Aquele que crê em Mim, tem a vida eterna.” Sabemos que temos confiado em Cristo para a nossa salvação eterna; Ele é a nossa única esperança para o Céu. Portanto, o Espírito de Deus dá-nos testemunho, através deste versículo, de que somos filhos de Deus.



Certamente que também há outros meios que nos asseguram que possuímos a salvação: sabemos que somos salvos porque amamos os irmãos, aborrecemos o pecado e praticamos a justiça, amamos a Palavra de Deus e temos o instinto de oração. Mas o mais importante e fundamental destes é a Palavra de Deus, o instrumento mais confiável e preciso do Universo. George Cutting dizia no seu tratado memorável “Segurança, Certeza e Gozo”: “O sangue é o que nos salva; a Palavra é a que isso nos assegura.”


Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: