… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

domingo, 2 de abril de 2017

2 de abril



C. H. Spurgeon
Livro de Cheques do Banco da Fé
2 de abril

“Medita estas coisas; ocupa-te nelas, para que o teu aproveitamento seja manifesto a todos.” (1Tm4:15, ARC, Pt)


Esta é, praticamente, uma promessa de que, pela meditação diligente e pela entrega de toda a nossa mente à nossa obra a favor do Senhor, faremos progressos que todos poderão ver. Tiramos proveito da Palavra de Deus, não pela sua leitura apressada, mas pela meditação profunda dela. Não é fazendo uma grande quantidade de trabalho, de um modo desleixado, mas fazendo tudo aquilo que empreendemos da melhor maneira, que obteremos verdadeiro proveito. “Em todo o labor há fruto”, porém, não o há na agitação e na pressa, que carecem de uma verdadeira energia de coração.

Se nos dividimos entre Deus e Mamon, ou entre Cristo e nós mesmos, não faremos nenhum progresso. Temos de entregar-nos inteiramente às coisas santas, ou então seremos pobres comerciantes no negócio celestial, e no nosso inventário não se mostrará nenhum lucro.

Sou um ministro? Então, devo ser inteiramente um ministro, e não gastar as minhas energias em ocupações secundárias. Que tenho eu a ver com partidos políticos ou diversões vãs? Sou eu um Cristão? Que eu faça do meu serviço para Jesus a minha ocupação, a obra à qual me consagro a minha vida inteira (o trabalho da minha vida), a minha única ocupação. Temos de estar completamente unidos com Jesus, e logo, completamente entregues à obra por Jesus, ou então não faremos nenhuns progressos, nem daremos fruto, e nem a Igreja, nem o Mundo sentirão essa influência poderosa que o Senhor quer que exercitemos.

Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: