… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

quinta-feira, 20 de abril de 2017

20 de abril


 C. H. Spurgeon
Livro de Cheques do Banco da Fé
20 de abril

“O justo viverá da fé.” (Rm 1:17, ARC, Pt)

Não morrei. Posso crer, e, na verdade, creio no SENHOR meu Deus, e esta fé conservar-me-á com vida. Quero ser contado entre aqueles que são justos nas suas vidas; mas até mesmo se eu fosse perfeito, não quereria procurar viver pela minha (própria) justiça; agarrar-me-ia à obra do SENHOR Jesus, e ainda viveria por fé nEle e por nada mais. Se eu fosse capaz de entregar o meu corpo para ser queimado pela Causa do meu SENHOR Jesus, nem assim confiaria no meu próprio valor e constância, mas viveria constantemente pela fé.


“Se eu fosse um mártir na fogueira

advogaria o nome do meu Salvador;

Suplicaria o perdão pela Sua intercessão,

E não reclamaria nenhum outro direito.”



Viver pela fé é algo mais seguro e mais feliz do que viver pelos sentimentos ou pelas obras. O ramo, que está na videira, vive uma vida melhor do que se estivesse sozinho, até se fosse possível, se vivesse completamente separado do caule. Viver em união com Jesus, e receber tudo dEle, é algo agradável e sagrado. Se até o mais justo tem de viver desta maneira, quanto mais eu que sou um pobre pecador! SENHOR, eu creio. Tenho de confiar em Ti inteiramente. Que outra coisa posso fazer? Confiar em Ti é a minha vida. Sinto que é assim. Manter-me-ei nisto até ao fim.


Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: