… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

domingo, 23 de abril de 2017

23 de abril

Oswald Chambers

My Utmost for His Highest
23 de abril ADORAS A OBRA?

“Nós somos cooperadores de Deus…” (1Co 3:9, ARC, Pt)

Tem cuidado com qualquer trabalho que realizes para Deus que cause ou permita que evite que te concentres nEle. Um grande número de obreiros Cristãos adoram o seu trabalho. A única preocupação dos obreiros Cristãos deve ser a sua concentração em Deus. Isto significa que todos os outros limites da vida, sejam eles limites mentais, morais ou espirituais, são completamente livres, com a liberdade que Deus dá ao Seu filho, ou seja, um filho adorador, não um filho rebelde.

Um obreiro que não tem esta verdadeira acção de controlo da concentração em Deus é capaz de se tornar excessivamente sobrecarregado por intermédio do seu trabalho. Ele é um escravo dos seus próprios limites, não tendo a liberdade do seu corpo, mente ou espírito. Consequentemente, ele fica exausto e derrotado. Não tem, de modo algum, liberdade, e nem prazer na vida. Os seus nervos, mente e coração estão tão sobrecarregados que a bênção de Deus não pode descansar sobre ele.

Mas o caso oposto é igualmente verdade – uma vez que a nossa concentração está em Deus, todos os limites da nossa vida são livres e somente sob a direção e domínio de Deus. Já não há mais nenhuma responsabilidade sobre ti para o trabalho. A única responsabilidade que tu tens é de ficar num contato vivo e constante com Deus, e cuidar que tu permitas que nada embarace a tua cooperação com Ele. A liberdade que provem depois da santificação é a liberdade de um filho, e as coisas que costumavam manter sob sujeição a tua vida desapareceram. Mas tem o cuidado de te lembrares que foste libertado apenas para uma coisa: seres absolutamente dedicado ao teu Colega de trabalho.

Não temos o direito de decidir onde devemos ser colocados, ou ter ideias preconcebidas sobre aquilo que Deus nos está preparando para fazermos. Deus engendra tudo, e onde quer que Ele nos coloca, o nosso objetivo supremo deve ser derramar as nossas vidas em sincera devoção a Ele por essa obra particular. “Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças ...” (Ec 9:10, ARC, Pt).


Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: