… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

quinta-feira, 27 de abril de 2017

27 de abril

William MacDonald
Um dia de cada vez
27 de abril

“E exortou a todos a que permanecessem no Senhor, com propósito de coração.”(At 11:23, ARC, Pt)

Há uma tendência alarmante, em alguns círculos cristãos, para adular homens pela sua erudição, mesmo que não sejam leais à Pessoa de Cristo.

Temos um homem, por exemplo, que é um brilhante escritor, mestre no uso das ilustrações, um comentador, cujos estudos linguísticos nas línguas originais são esplêndidos. Mas, nega o nascimento virginal, explica racionalmente os milagres de nosso Senhor, rechaça a ressurreição literal e corporal do Salvador e fala condescendentemente de Jesus, como de alguém que merece um lugar na galeria dos heróis do mundo. Para ele, Jesus é mais um, entre muitos ilustres personagens, o que equivale a minimizar o Filho de Deus com louvores incertos. Este homem, simplesmente, não é fiel ao Senhor.

É vergonhoso encontrar cristãos que defendem homens como este pela sua brilhante erudição. Com hipocrisia, encomiam a sua destreza intelectual e ignoram a maneira herética com que se refere a Cristo. Gostam de citá-lo como autoridade respeitada e de mover-se nos mesmos círculos académicos. Se são confrontados por confraternizar com aquele inimigo da Cruz de Cristo, utilizam palavras ambíguas para subtrair importância à gravidade da ofensa. É muito comum ouvir-lhes falar mal dos cristãos fundamentalistas que creem na Bíblia por se atreverem a enfrentar um erudito tão reconhecido.

É esta a hora para os cristãos se armem da santa indignação quando o seu Salvador é traído nas salas de aula da erudição. Este não é um tempo para pactos. A verdade referente à Sua Pessoa e obra não é negociável. Devemos tomar o nosso lugar e dar-nos a conhecer.

Os profetas não falavam com meias tintas quando a verdade de Deus estava em dúvida. Eram ferozmente leais ao Senhor e lançavam invetivas contra aqueles que se atreviam a negá-Lo ou a desprezá-Lo.

Os Apóstolos também reagiam ante qualquer tentativa de despojar o Senhor da Sua glória. Escolheram ser leais a Cristo, antes que adquirir reputação no mundo teológico.

Os mártires escolheram morrer, antes que comprometer a sua lealdade ao Filho de Deus. Interessava-lhes mais a aprovação de Deus que a dos homens.

A nossa responsabilidade é ser fiéis ao Senhor Jesus em todas as coisas e resistir a qualquer um que não queira dar-Lhe o lugar de preeminência que Ele merece.



Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: