… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

sábado, 8 de abril de 2017

8 de abril

Oswald Chambers
 My Utmost for His Highest
8 de abril O DESTINO DA SUA RESSURREIÇÃO

“Porventura não convinha que o Cristo padecesse estas coisas, e entrasse na sua glória?” (Lc 24:26, ARC, Pt)

A Cruz de nosso Senhor é a porta de entrada para a Sua vida. A Sua ressurreição significa que Ele tem o poder de me transmitir a Sua vida. Quando nasci de novo, eu recebi do Senhor ressuscitado a Sua própria vida.



O destino da ressurreição de Cristo, o Seu propósito preordenado, era trazer “muitos filhos à glória” (Hb 2:10). O cumprimento do Seu destino dá-Lhe o direito de nos fazer filhos e filhas de Deus. Nós nunca temos exatamente a mesma relação com Deus que o Filho de Deus tem, mas somos trazidos pelo Filho à relação de filhos com Ele. Quando nosso Senhor ressuscitou dos mortos, Ele ressurgiu para uma vida absolutamente nova, uma vida que Ele nunca tinha vivido antes porquanto Ele era Deus encarnado. Ele ressuscitou para uma vida que nunca tinha sido vivida antes. E o que a Sua ressurreição significa para nós é que somos levantados para a Sua vida ressuscitada, não para a nossa velha vida. Um dia teremos um corpo como o Seu corpo glorioso, mas podemos conhecer aqui e agora o poder e a eficácia da Sua ressurreição e podemos “andar em novidade de vida” (Rm 6:4, ARC, Pt). O firme propósito de Paulo era “conhecê-lo ele e o poder de sua ressurreição” (Fl 3:10, ARC, Portugal).



Jesus orou: “... Assim como lhe deste poder sobre toda a carne, para que dê a vida eterna a todos quantos lhe deste” (Jo 17:2, ARC, Pt). O termo Espírito Santo é, efectivamente, um outro nome para a experiência da vida eterna operando nos seres humanos aqui e agora. O Espírito Santo é a Divindade de Deus, que continua a aplicar o poder da expiação pela Cruz de Cristo às nossas vidas. Graças a Deus pela gloriosa e majestosa verdade que o Seu Espírito pode produzir em nós a própria natureza de Jesus, se apenas Lhe obedecermos.


Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: