… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

quarta-feira, 10 de maio de 2017

10 de maio


C. H. Spurgeon
Livro de Cheques do Banco da Fé
10 de maio


“E assim com confiança ousemos dizer: O SENHOR é o meu ajudador, e não temerei o que me possa fazer o homem.” (Hb 13:6, ARC,Pt)

Porquanto Deus nunca nos deixará nem nos abandonará, temos de estar muito contentes com as coisas que temos. Já que o SENHOR é nosso, não podemos ficar abandonados sem um amigo, sem tesouro e sem morada. Esta certeza deve fazer-nos sentir que somos completamente independentes dos homens. Sob tão alto amparo, não nos sentimos tentados a amedrontar-nos diante dos nossos semelhantes, nem a pedir-lhes permissão para considerarmos as nossas vidas como as nossas próprias vidas; mas, o que dizemos, dizemo-lo com ousadia, e desafiamos a contradição.


Aquele que teme a Deus, não tem nada mais a quem temer. Temos de viver em tal temor do Deus vivo, que todas as ameaças que pudessem ser usadas pelo mais orgulhoso perseguidor não deveriam ter mais efeito em nós do que o sibilo do vento. O homem, nestes dias, não pode fazer tanto contra nós como podia fazer quando o apóstolo escreveu o versículo que encabeça esta página (meditação). A roda (instrumento de tortura) e a fogueira estão fora de moda. O gigante Papa agora não pode queimar os peregrinos. Se os seguidores de falsos mestres põem em prática a cruel zombaria e o escárnio, não nos surpreendemos por isso, porquanto os homens deste mundo não podem amar a semente celestial. O que se passa então? Devemos suportar o escárnio do mundo. Este não quebra os ossos. Deus ajuda-nos, sejamos valorosos; e quando o mundo se enfurecer, que se enfureça, porém, não o temamos.


Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: