… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

segunda-feira, 15 de maio de 2017

15 de maio


C. H. Spurgeon
Leituras Vespertinas
15 de maio
“Aperfeiçoados.” (Hb 12:23, ARC, Pt)


RECORDA que há duas espécies de perfeição que o Cristão necessita: A perfeição da justificação na pessoa de Jesus e a perfeição da santificação obrada nele pelo Espírito Santo. Presentemente, a corrupção ainda permanece até no coração do regenerado; a experiência depressa nos ensina isto. Dentro de nós estão ainda as luxúrias e as más imaginações. Mas alegro-me saber que vem o dia quando Deus concluirá a obra que Ele começou, e que Ele apresentará a minha alma não só perfeita em Cristo, mas também perfeita pelo Espírito, sem mancha, nem ruga nem coisa semelhante. Pode ser verdade que este meu pobre e pecaminoso coração chegará a ser santo como Deus é santo? Pode ser que este espírito que frequentemente clama, “Miserável homem que eu sou! Quem me livrará do corpo desta morte?” haverá de ficar livre de pecado e da morte e que nenhuma coisa má perturbará os meus ouvidos e que nenhum pensamento pecaminoso perturbará a minha paz? Oh, ocasião feliz! Deus queira que ela se apresse! Quando eu cruze o Jordão, a obra da santificação ficará terminada; mas até esse momento não pretenderei ter perfeição em mim. Então o meu espírito terá o seu último batismo no fogo do Espírito Santo. Parece-me que anelo morrer para receber aquela última e final purificação que me introduzirá no Céu. Nenhum anjo será mais puro do que eu, pois eu poderei dizer em duplo sentido: “Sou limpo”, pelo sangue de Jesus e pela obra do Espírito. Oh, como deveríamos exaltar o poder do Espírito Santo porque nos fez aptos para estarmos diante de nosso Pai no Céu! Entretanto, que a esperança da perfeição na vida futura não nos faça ficar satisfeitos com a imperfeição de agora, pois nesse caso a nossa esperança não pode ser genuína, porque uma boa esperança é uma coisa purificante, agora mesmo. A obra da graça deve ser permanente em nós agora, senão ela não será perfeita depois. Que nós peçamos ser “cheios do Espírito” para que possamos produzir abundantemente os frutos de justiça.


Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: