… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

quinta-feira, 18 de maio de 2017

18 de maio



William MacDonald
Um dia de cada vez
18 de maio
“... De modo que falou imprudentemente com seus lábios.” (Sl 106:33, ARC, Pt)

Quando o povo de Israel se queixou pela falta de água em Cades, Deus disse a Moisés que bastava que falasse com a rocha para que dela a água fluísse como mananciais. Mas, o povo tinha enfadado Moisés a tal grau, que lhes disse: “Ouçam agora, rebeldes! Temos de fazer sair águas desta penha?” Então, Moisés golpeou a rocha duas vezes, com a sua vara. Pelas suas palavras iradas e ação desobediente não santificou a Deus ante o povo e o resultado foi que perdeu o privilégio de introduzir os filhos de Israel na Terra Prometida (Nm 20:1-13).


É fácil que um homem de zelo ardente seja destemperado contra outros crentes. Está auto disciplinado, mas os demais ainda necessitam que os levem ao colo; está bem instruído, mas os demais ainda são ignorantes.


Mas, o que devemos aprender é que mesmo assim estes pertencem ao povo amado de Deus, e que o Senhor não tolerará que O denigram ou O insultem.


Uma coisa é pregar a Palavra de Deus com tal poder que as pessoas fiquem convencidas dos seus pecados e se volvam para Ele, e outra totalmente distinta é arreganhar-lhes severamente, como uma expressão de irritação pessoal. Isto priva ao homem das maiores recompensas de Deus.


Quando se enumera os homens ilustres de David em 2 Samuel 23, há um nome que brilha pela sua ausência. É o nome de Joab, o chefe do exército do David. Por que falta o seu nome? Sugeriu-se que a razão é que Joab utilizou a espada contra alguns dos amigos do David. Se isto é assim, o incidente é uma advertência séria para quando nos sentimos tentados a empregar a nossa língua como espada contra o povo de Deus.


Quando Tiago e João, os filhos do trovão, queriam fazer baixar fogo do Céu sobre os samaritanos, Jesus disse-lhes: “Vós não sabeis de que espírito sois” (Lc 9:55). Que oportuna vem a ser a repreensão, quando falamos precipitadamente com os nossos lábios, contra àqueles que são dEle não só por criação (como foram os samaritanos), mas também por meio da redenção.

Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: