… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

quinta-feira, 18 de maio de 2017

18 de maio

Aos Pés Do Mestre
(At the Master’s feet),
Compilado por Audie G. Lewis
das obras de
C. H. Spurgeon

18 de maio ARGUIR DE DEUS

“Vinde, então, e argui-me, diz o Senhor: ainda que os vossos pecados sejam como a escarlata, eles se tornarão brancos como a neve; ainda que sejam vermelhos como o carmesim, se tornarão como a branca lã. Se quiserdes, e ouvirdes, comereis o bem desta terra. Mas, se recusardes, e fordes rebeldes, sereis devorados à espada; porque a boca do Senhor o disse.” (Is 1:18-20, ARC, Pt).

Creio que seria sábio da nossa parte, criaturas pecadoras que somos, aceitar a conferência que Deus propõe. De todos os modos, não perdemos nada com isso. Se o Senhor diz: “Vinde, então, e argui-Me”, Ele deve ter algum propósito de amor com isso; portanto, vamos a nosso Deus e discutamos com Ele. Eu convidaria a qualquer homem aqui que esteja todo desejoso de estar (de) bem com Deus, a que comece a pensar no seu Deus e nos seus próprios caminhos. Decerto que para alguns de vós chegou a hora de voltar-vos para Ele, a Quem haveis provocado durante tanto tempo. Por exemplo, aí está o Seu Livro, tu lê-lo? Não testifica contra ti o pó que ele tem em cima? Não crês que valha a pena saber o que Deus tem revelado na Sua Palavra. Tratas ao teu Criador e Amigo como Se as Suas cartas não merecessem sequer uma hora de leitura; e as deixas completamente esquecidas. É assim como deve ser? Se queres estar (de) bem com Deus, o primeiro passo não seria obedecer ao Seu mandamento “Ora, pois, assim diz o Senhor dos Exércitos: Aplicai os vossos corações aos vossos caminhos.” (Ag 1:5)? E o próximo passo não devia ser obedecer a essa outra palavra: “Submete-te a Deus; põe-te de novo em paz com Ele, e a prosperidade voltará para ti.” (Jb 22:21)?



A Bíblia, do princípio ao fim, num ano: Gl 5-6

 Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: