… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

quinta-feira, 18 de maio de 2017

18 de maio


C. H. Spurgeon
Livro de Cheques do Banco da Fé
18 de maio

E restituir-vos-ei os anos que foram consumidos pela (...) locusta.” (Jl 2:25, ARC, Pt)

Sim, esses anos desperdiçados por cuja causa suspiramos, ser-nos-ão restituídos. Deus pode dar-nos uma graça tão abundante, que, no que resta dos nossos dias, poderemos acumular um serviço que compense todos aqueles anos (vividos) no estado de irregenerados, pelos quais choramos em humilde penitência. As locustas da apostasia, da mundanalidade e da indiferença, são agora vistas por nós como uma praga terrível. Oh, que essas coisas nunca se tivessem aproximado de nós! O SENHOR, em Sua misericórdia, tem-nas tirado de nós, e estamos cheios de zelo para O servir. Bendito seja o Seu nome, (porque) podemos levantar tais colheitas de graças espirituais, que farão com que a nossa esterilidade passada desapareça. Por meio de uma graça abundante, podemos tirar proveito da nossa amarga experiência e usá-la para advertir os outros. Podemos ficar mais arraigados em humildade, em dependência infantil e em espiritualidade penitente por causa das nossas deficiências passadas. Se nós somos mais vigilantes, zelosos e ternos, nós obteremos maior ganho pelas nossas lamentáveis perdas. Os anos desperdiçados podem ser restituídos por um milagre de amor. Isto parece-nos uma bênção demasiado grande? Creiamo-la e vivamos por ela e ainda a veremos realizada em nós, assim como Pedro se tornou um homem muito mais útil depois que foi curada a sua presunção por haver sido revelada a sua debilidade. SENHOR, ajuda-nos por Tua graça.


Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: