… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

quarta-feira, 3 de maio de 2017

3 de maio

Oswald Chambers

My Utmost for His Highest
3 de maio A INTERCESSÃO VITAL

“… Orando, em todo o tempo, com toda a oração e súplica no Espírito…” (Ef 6:18, ARC, Pt)

À medida que continuamos na nossa intercessão pelas outras pessoas, podemos descobrir que a nossa obediência a Deus durante a intercessão custará àquelas pessoas por quem intercedemos mais do que alguma vez imaginávamos. O perigo disso é que começamos a interceder em compaixão por aqueles a quem Deus foi gradualmente elevando a um nível totalmente diferente, em resposta direta às nossas orações. Sempre que retrocedemos da nossa íntima identificação com o interesse e preocupação de Deus a favor das outras pessoas e passamos a ter compaixão emocional por elas, a ligação vital com Deus deixa de existir. Nessa ocasião havemos expressado a nossa simpatia e preocupação por eles, e isso é uma censura deliberada contra Deus.

É impossível para nós termos uma intercessão viva e vital, a menos que tenhamos perfeitamente e completamente a certeza de Deus. E o maior destruidor dessa relação de confiança com Deus, tão necessária para a intercessão, é a nossa própria compaixão pessoal e a nossa preconcebida propensão. A identificação com Deus é a chave para a intercessão, e sempre que cessamos de estar identificados com Ele, é por causa da nossa compaixão para com as outras pessoas, não por causa do pecado. Não é provável que o pecado interferira com a nossa relação de intercessão com Deus, mas compaixão interferirá. É a compaixão por nós mesmos ou pelas outras pessoas que nos obriga a dizer: Eu não vou permitir que essa coisa aconteça. E num instante não possuímos essa ligação vital com Deus.

A intercessão vital não te deixa nem com tempo e nem com a inclinação para orares pelo teu próprio deplorável e compadecido eu. Tu não tens de lutar para impedir a entrada aos teus próprios pensamentos sobre o teu deplorável e compadecido eu, porque eles nem sequer estão lá para serem afastados do teu pensamento. Tu estás completamente e totalmente identificado com os interesses e as preocupações de Deus pelas outras vidas. Deus dá-nos discernimento pela vida das outras pessoas para nos chamar a interceder por elas, nunca, para que possamos encontrar culpa nelas.


Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: